Navigation – Plan du site
Notes de lecture

Humberto Mauro, Cinema, História. Eduardo Morettin

Alameda Editorial, São Paulo, 2013
Fábio Uchôa
p. 177-178
Référence(s) :

Humberto Mauro, Cinema, História. Eduardo Morettin, Alameda Editorial, São Paulo, 2013

Traduction(s) :
Humberto Mauro, Cinema, História. Eduardo Morettin

Texte intégral

1Desde as pesquisas iniciais de Marc Ferro sobre as relações entre Cinema e História, o campo historiográfico dedicado ao cinema conquistou um grande espaço nas pesquisas acadêmicas. No caso brasileiro, uma geração de jovens pesquisadores da Universidade de São Paulo deu novo alento ao campo, abrindo uma série de indagações e uma forma nova de abordar o cinema pela perspectiva historiográfica. Como resultado deste trabalho, Eduardo Morettin, historiador e professor de cinema da Escola de Comunicações e Artes ho ano passado publicou este ano Humberto Mauro, Cinema, História. A obra de fôlego é resultado de um longo trajeto de dedicação à pesquisa e significa uma proposta de grande importância para a pesquisa interdisciplinar entre Cinema e História do Brasil.

2A disposição triádica do título homenageia Paulo Emilio Salles Gomes que, em 1974, finalizou Humberto, Cataguases, Cinearte, o primeiro trabalho de fôlego a respeito de Humberto Mauro. Trata-se de um cineasta que acompanha a passagem do cinema silencioso ao sonoro no país: nos anos 1920, figura fundamental do Ciclo de Cataguases e, a partir de 1937, colaborador do Instituto Nacional do Cinema Educativo (INCE), órgão criado durante o Estado Novo de Getúlio Vargas.

3Os filmes de Humberto Mauro abordados por Morettin, O descobrimento do Brasil (1937) e Os bandeirantes (1940), inserem-se no circuito de produção e perpetuação de uma memória particular: um projeto ideológico conservador de monumentalização do passado do país, executado pelo regime de Vargas. Neste contexto, o INCE e a iconografia criada pelo Museu Paulista sob a direção de Affonso de Taunay colaboraram para a construção de uma representação oficial do país, que incluía os mitos do “descobrimento” do Brasil, bem como do desbravamento do sertão do país pelos bandeirantes paulistas.

4Em termos de abordagem, Morettin operacionaliza a análise de filmes tomados como documentos-monumentos, ou seja, montagens que revelam as intenções de grupos e indivíduos num determinado contexto social. Assim, ao historiador-analista, interessam as estratégias de autenticação do discurso cinematográfico, bem como as consonâncias e dissonâncias ante os projetos ideológicos do período. Para isso, Morettin usa duas etapas principais de abordagem. Primeiro, realiza um debate “sobre o que se fala”, incluindo os embates historiográficos, além da circulação de idéias e iconografias, a respeito dos temas em diferentes suportes e esferas – pinturas, esculturas, livros didáticos, discursos e efemérides públicas. Num segundo momento, há um minucioso exame das relações entre sons e imagens, destacando as decisões do cineasta e dos demais envolvidos no projeto, enfatizando o “como se fala”. Estes dois movimentos se complementam, permitindo demonstrar o posicionamento ambíguo dos filmes de Humberto Mauro ante o contexto de origem.

5No caso de O descobrimento do Brasil, há uma cuidadosa comparação entre a partitura musical de Heitor Villa-Lobos, escrita em consonância com o projeto nacionalista do Estado Novo, e a construção do filme por Humberto Mauro. Em Os bandeirantes, Morettin examina o uso da iconografia do Museu Paulista (telas e estátuas) como fonte para a construção da mise-en-scène. Em ambos os casos, são encontrados momentos de incongruência, com tonalidades de melancolia, demonstrando que os filmes não correspondem às expectativas, épicas e monumentalizantes, daqueles que os encomendaram. Em tais momentos, vislumbramos as incongruências entre o cinema e outras artes do período, quando tomados como discursos de autenticação científica. Verificamos a impossibilidade de tomar Humberto Mauro como um simples cineasta a serviço do Estado Novo. Uma obra à altura de Mauro.

Haut de page

Table des illustrations

URL http://cinelatino.revues.org/docannexe/image/927/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 426k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence papier

Fábio Uchôa, « Humberto Mauro, Cinema, História. Eduardo Morettin », Cinémas d’Amérique latine, 22 | 2014, 177-178.

Référence électronique

Fábio Uchôa, « Humberto Mauro, Cinema, História. Eduardo Morettin », Cinémas d’Amérique latine [En ligne], 22 | 2014, mis en ligne le 01 octobre 2014, consulté le 17 août 2017. URL : http://cinelatino.revues.org/927

Haut de page

Auteur

Fábio Uchôa

Pós-doutorando em Imagem e Som pela Universidade Federal de São Paulo

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Cinémas d’Amérique latine est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d'Utilisation Commerciale - Pas de Modification 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Presses universitaires du Midi
  • Revues.org