Navigation – Plan du site

Gênero e memória em Journal inachevé de Marilú Mallet (1982-1983)

Ivan Lima Gomes
p. 166-173
Traduction(s) :
Genre et mémoire dans Journal inachevé de Marilú Mallet (1982-1983)

Résumés

Il s’agit d’une réflexion sur les débats proposés par la cinéaste chilienne Marilú Mallet concernant le cinéma et le genre durant son exil au Canada exposés dans le documentaire Journal inachevé (1982-1983). Dans ce film, les identités artistique, politique et de genre sont conçues à partir de l’exil.

Haut de page

Texte intégral

Apresentação geral

1Quando da derrubada do governo da Unidad Popular (UP, 1970-1973) liderado por Salvador Allende, Marilú Mallet realizava suas primeiras incursões na área do Cinema. Com as perseguições que se seguiram ao governo ditatorial liderado por Augusto Pinochet (1973-1990), Mallet sai em exílio com sua família para o Canadá, onde constrói novas concepções para seu ofício de cineasta a partir da condição de mulher chilena em uma terra estrangeira. O objetivo deste artigo é, pois, discutir, sob a ótica dos estudos de gênero, a emergência, neste período, de novas apreensões em torno do que é ser uma mulher chilena – e como a condição de exilada em terra estrangeira teria contribuído para tal experiência.

2Neste sentido, entendemos que o cinema nos permite, a partir de seu caráter polissêmico e das peculiaridades de sua linguagem – como o uso de imagens e falas de diversos pontos de vistas, a montagem e as conexões possíveis de serem estabelecidas entre passado e presente –, apreender de forma diferenciada tais discussões. Por isso, selecionamos uma obra produzida a partir da experiência do exílio por uma cineasta chilena como forma de buscar discutir, do ponto de vista histórico, algumas das maneiras pelas quais estas novas preocupações políticas puderam ser representadas esteticamente.

Dados básicos: Marilú Mallet e seu Journal Inachevé

3A produção cinematográfica de Marilú Mallet tem início ainda no período de governo da UP. Ao retornar de uma fase de trabalhos em Cuba, onde atua em 1971 como professora de História da Arquitetura na Universidade de Havana, Mallet se filia ao projeto da “via chilena ao socialismo”: tendo seu pai como Ministro da Educação, ela trabalha no Instituto de Cine Educativo do Ministério da Educação e inicia seus primeiros documentários, dentre os quais destacamos Amuhuelai-Mi (1971), sobre as populações mapuche que habitam o sul do Chile, além de outro dedicado a Violeta Parra, por exemplo. Porém, é apenas em seu exílio no Canadá, iniciado em 1973, que sua carreira como cineasta adquire a dimensão específica que discutiremos aqui. Mallet permanece no Canadá até os dias atuais, tendo concluído estudos de pós-graduação na Universidade de Montreal e publicado coletâneas de pequenos contos de sua autoria a partir de discussões em torno da condição do exílio1.

4Mais conhecida será a sua filmografia, voltada para o gênero documentário e de onde destacamos Journal inachevé2para análise. Procuramos destacar aqui passagens que abordam temas ligados a gênero e sua relação com a História chilena – ou seja, destacar as transformações sofridas na percepção de “ser mulher” a partir das transformações políticas e sociais vivenciadas pelo Chile nos anos 1970 e 1980. No caso do filme, levaremos em conta também o impacto proporcionado pelo exílio sobre a cineasta.

  • 3 Cf. Rosenstone Robert, 2010. Debates históricos e estéticos relacionados aos documentários foram si (...)

5O filme aborda o cotidiano de uma exilada chilena no Canadá e as dificuldades que lhe são impostas por ser mulher, mãe, esposa, artista e ativista política. Para tanto, o filme lança mão de depoimentos de outros exilados e de tomadas do Canadá cruzadas com imagens ligadas ao golpe no Chile, além de nos apresentar situações que Mallet enfrenta com sua família a partir da condição de exílio. A abordagem não segue uma linha expositiva de documentários, como a presença de narrador externo em off, entrevistas esclarecedoras sobre o tema do filme e uma narrativa linear. Desta forma, Journal Inachevé se distancia do convencionalismo moral e linear que marcaria aquilo que Rosenstone classificou de “documentário de compilação”, se aproximando mais daquilo que ele define como “filme histórico inovador ou de oposição3”.

6Tal classificação revela, no âmbito da linguagem cinematográfica, uma resistência a uma ideia de narrativa definida por paradigmas universalistas e lineares, ao mesmo tempo em que dialoga diretamente com preocupações associadas a perspectivas gerais pós-modernas, conforme desenvolveremos adiante. Dadas as nossas preocupações historiográficas e o recorte temático que realizamos, estamos cientes dos limites que o artigo apresentará para aqueles dedicados a uma eventual análise da linguagem cinematográfica de Journal inachevé. Seguimos de perto as reflexões sobre cinema e história propostas por autores como Lagny e Rosenstone e assumimos de bom grado a limitação que nós, historiadores, teríamos em “instrumentalizar” a análise de qualquer filme, ainda que a consideremos sob uma ênfase provocadora, a partir da especificidade de problemas e caminhos que o cinema nos aponta enquanto fonte, objeto e suscitador de questões paradigmáticas.

Análise do filme

7A riqueza estética e temática de Journal inachevé já foi motivo de estudo em alguns trabalhos dedicados a analisar seus pontos de vista bastante diversos. Procuramos fazer referência a eles a partir de uma perspectiva que prioriza as experiências de gênero entre as mulheres latino-americanas nos anos 1980.

  • 4 Martineau Richard apud. Pallister Janis L. The cinema of Québecmasters in their own house, Fairle (...)

8Um caminho possível pelo qual podemos nos aventurar em busca de representações de gênero nesta obra está no uso da linguagem cinematográfica promovida pela cineasta, tratada por ela de forma bastante franca. Podemos entender a experiência de realização do filme como um exercício de busca pela identidade, como se estivéssemos diante de uma pluralidade de “femininos”. As dúvidas de Mallet enquanto cineasta se entrelaçam a seus dilemas de mulher, de mãe, esposa e de chilena fora de seu país. Neste sentido, posicionar-se como artista também é, aqui, um posicionamento político4.

  • 5 Pick Zuzana M., “Chilean cinema in exile”, 1973-1986, em Martin Michael (org.), New Latin American (...)

9Marilú Mallet, em Journal inachevé, parece se mostrar consciente destas preocupações, e assume elementos como a incompletude, a inquietação, a fragmentação e o sentimento como componentes fundamentais para definir o seu “diário inconcluso”. O título de seu filme, aliás, procura deixar claro os limites presentes em um “diário”, meio pelo qual muitas mulheres se expressaram ao longo da História. Em seu papel de exilada e de mulher, poderíamos constatar, a partir de seu filme, que a cineasta não se sente contemplada com as convenções típicas de um documentário e exige que a elas seja integrado o ficcional como elemento fundamental da subjetividade e da vida em sociedade5.

  • 6 A trajetória dos estudos em Scott parte do caso norte-americano, onde se destacam, dentre outros as (...)

10É preciso destacar aqui que este filme data da primeira metade dos anos 1980, quando as discussões acerca do estatuto específico que apresenta uma história das mulheres já tinham experimentando razoáveis avanços no hemisfério norte. Ainda que não tenhamos a pretensão de empreender análises mais minuciosas em busca de eventuais indícios de leituras teóricas feministas que possam parecer representadas esteticamente em Journal inachevé, não nos parece absurdo supor que Mallet possa ter tido contato, quando da produção deste filme, com algumas obras importantes desta área. Ao destacar, tanto ao longo do filme quanto na cena onde discute asperamente com seu marido, que o seu documentário deve comportar aspectos subjetivos e fragmentados, ela procura se afastar de um modelo canônico e universal de cinema documentário, representado no filme por seu marido também documentarista, e termina por se aproximar de reflexões formuladas por estudiosas do campo da história das mulheres e de gênero6.

  • 7 Pick, Zuzana M., “Chilean cinema: ten years of exile (1973-1983)”, Jump cut, s/v., n. 32, 1987. Nic (...)

11Journal inachevé, ao contestar no campo da linguagem a ideia de um documentário fechado em si a partir de uma narrativa universal e concisa, defende a incompletude e a fragmentação como fatores constituintes de nossa experiência. Constitui-se, assim, uma “apropriação feminista da linguagem” que representa “a morte das narrativas mestras que organizaram tantas outras histórias em outros tempos7”.

  • 8 O tema é amplo e escapa ao alcance do texto. O tema foi objeto de análise em balanços bibliográfico (...)

12Cabem agora algumas palavras sobre o exílio e o feminismo. A entrada em um território estrangeiro, as dificuldades de adaptação, a necessidade de revisar ideias que não resistiram aos golpes do autoritarismo e o contato com discussões travadas nos países que os receberam são alguns dos aspectos que devem ser levados em conta ao se abordar a história dos exilados latino-americanos8.

13O filme não nos apresenta dados explícitos, por exemplo, sobre a vida de cineasta antes da chegada ao Canadá ou sobre seu pai, e nem mesmo podemos ter plena certeza se Marilú Mallet e Michael Rubbo realmente se divorciaram. Temos retratada aqui uma vida cuja trajetória é marcada pela incompletude em diversos níveis: na sua experiência como jovem engajada nos ideais que norteariam o governo da UP; como chilena obrigada a sair exilada de sua terra e abandonar amigos e parentes; como estrangeira e alienada da sociedade canadense; e como esposa que apresenta divergências aparentemente inconciliáveis com seu companheiro.

14A profusão de idiomas em um mesmo contexto reforça as ideias de isolamento e de busca retratados pela cineasta chilena. É comum observarmos cenas onde idiomas como Espanhol, Francês e Inglês são falados simultaneamente entre a cineasta e seus familiares e amigos, cruzando e entrecortando o discurso a todo momento. Mallet representa a inquietação identitária também neste nível, ao transitar por todos estes idiomas em sua busca por uma linguagem artística própria, em contraste com outros personagens do filme, mais detidos em uma única forma de expressão: sua mãe e irmão, que podemos tomar como seus elos mais próximos com a experiência chilena, encontram-se totalmente absorvidos pela linguagem artística que já praticavam no Chile – a pintura e a música, respectivamente. A autora constata, logo no início do filme, que sua mãe poderia mesmo viver em qualquer lugar, contanto que pudesse produzir sua arte. Já seu irmão teria chegado ao Canadá em um segundo momento e, assim como sua mãe, não tem fala, a não ser por meio de seu violão a tocar Heitor Villa-Lobos e seus prelúdios.

15Seu marido, por sua vez, encarna o próprio arquétipo da objetividade que Mallet combate em seu cinema e do qual ela se vê impelida a se afastar na vida real. Ele é um cineasta australiano que também se encontra em terra estrangeira, mas que manifesta sobre ela uma relação pragmática, como ao afirmar ironicamente que não veio para o Canadá e sim para a National Film Board, companhia de cinema onde trabalha. Em outro momento, mesmo diante da reprovação de sua esposa, ele se posiciona friamente ao alegar que não aprende francês e espanhol porque estes idiomas não são parte de sua cultura.

  • 9 Quebec pode ser tomada neste filme também como um espaço fora de lugar, com o francês sendo o idiom (...)

16O jovem filho do casal, Nicholas Rubbo, já se encontra devidamente adaptado à cultura canadense e fala fluentemente o francês de Quebec9. Além disso, ele se mostra distante de qualquer memória cultural que poderia ser transmitida pela mãe, como transparece na cena na qual Mallet interage com outros exilados chilenos por meio de músicas e improvisos: enquanto a cineasta participa de forma ativa e ousa cantar alguns versos de improviso, Nicholas e seu pai permanecem distantes e desinteressados, ao ponto de o filho se retirar, aborrecido, da reunião.

  • 10 Wright Thomas, op. cit., 1995, p. 205.

17Há aqui uma maior proximidade entre pai e filho, ao passo que a mãe se encontra isolada e perdida, o que irá culminar na importante cena da briga entre o casal. Tais alterações no arranjo familiar devem ser entendidas, segundo alguns autores, a partir da condição de exilados latino-americanos –o que, sem dúvida, acarreta questões importantes ligadas ao gênero, tema que nos interessa mais diretamente. Com isso, será comum observarmos, no caso chileno, um elevado índice de separações e o isolamento da família em seu núcleo básico, em contraste com a tradicional família estendida chilena10. No caso de Marilú Mallet, para além do divórcio que se desenha nos momentos finais, a família já se encontra, no exílio, com um número restrito de pessoas – e, dado seu caráter inconcluso, conforme ressaltado anteriormente, nada sabemos sobre outros parentes. Teriam morrido no Chile? Estariam presos? Exilados em outros países? A dúvida sobre a identidade, construída, imposta e reinventada, é a carga que move a escrita deste diário inconcluso.

Considerações finais

18Abordar o cinema como objeto e fonte de estudos ainda é um desafio para os historiadores que, por vezes, se veem perdidos diante da polifonia emitida por cada cena, diálogo e plano do(s) filme(s) escolhido(s). Um primeiro passo, inevitável ainda que doloroso, é estabelecer recortes e objetivos precisos para seu estudo, conforme destacam autores como Lagny e Rosenstone ao abordar a relação entre história e cinema. Tentamos seguir de perto suas orientações e procuramos abordar, por meio de um filme produzido por uma cineasta, representações de gênero e a relação entre passado recente e a história do (seu) tempo presente.

  • 11 A relação entre cinema e micro-história é destacada por Lagny Michèle, op. cit.

19O tratamento peculiar que Mallet dedica à linguagem em seu trabalho aparenta ser, em um primeiro momento, um desafio de difícil superação ao estudioso que sobre ele se debruça. Por outro lado, ele revela, justamente por sua complexidade, um olhar bastante pessoal e rico sobre as experiências marcantes de ser uma mulher chilena exilada de seu país por um governo autoritário. Se pudéssemos classificar este filme do ponto de vista historiográfico, sem dúvida ele seria tomado como um exemplo bem acabado de micro-história11.

  • 12 Mulvey Laura, «Prazer visual e cinema narrativo», in Xavier Ismail (org.), A experiência do cinema, (...)
  • 13 Rosenstone Robert. op. cit., p. 235-236.

20A maneira como Mallet se expressa cinematograficamente se aproxima também das expectativas fomentadas por Laura Mulvey por um cinema alternativo que consiga superar a “manipulação habilidosa e satisfatória do prazer visual” promovida pelo padrão de linguagem cinematográfica estabelecida por Hollywood e que submete a mulher às restrições da sociedade patriarcal12. Para além de tomá-la como um gênero, podemos, novamente a partir de Rosenstone, avaliar Journal inachevé como um trabalho que apresenta clara preocupação em produzir um “pensamento” ou “entendimento” histórico13. À época da produção do filme, grandes mobilizações tinham início no Chile, com passeatas, greves, organizações de grupos diversos –incluindo mulheres– e mesmo o retorno inicial de alguns exilados. Era um momento de esperança que podemos perceber representado no filme na cena na qual outros exilados se reúnem a cantar músicas contra a junta militar e a favor da liberdade. A expectativa alegre de um tempo de justiça e de um tranquilo retorno ao Chile que eles parecem expressar contrasta com as mudanças políticas promovidas por novas gerações de militantes na política interna chilena.

21A passagem acima vem no intuito de reforçar o papel ativo do cinema, que pode “perseguir através do movimento da imagem aquilo que não deixou imagem” e, assim, promover uma compreensão própria de seu contexto e de seu passado recente:

  • 14 Lagny Michèle, op. cit., p. 106.

“[...] o cinema desempenha um papel ainda mais essencial que acontece, dele próprio se encarregar de traduzir para a ficção aquilo que a memória oficial procurou ocultar [...] e às vezes de investigar ele mesmo, como poderia fazer um historiador na sua fase de pesquisa, não somente testemunhos, mas também hipóteses, análises, explicações14.”

22Avaliamos ter sido este o caminho escolhido por Marilú Mallet em seu Journal inachevé que, por ser inconcluso, revela-se um convite para a construção coletiva do passado e presente latino-americano.

Haut de page

Bibliographie

Filme analisado: Journal Inachevé (Canadá, 1982-1983). Direção: Marilú Mallet.

Angell Alan; Carstairs Susan, “The exile question in Chilean politics” em Third world quarterly, v. 9, n.1, 1987, p. 148-167.

Hazelton Hugo, “Quebec Hispánico: themes of exile and integration in the writing of latin americans living in Québec”, em Canadian Literature/Littérature Danadienne, s/v., n. 142-143, 1994, 120-135. Disponível em: http://cinema2.arts.ubc.ca/units/canlit/pdfs/articles/canlit142-Quebec(Hazelton).pdf

Lagny Michèle, “O cinema como fonte de história”, em Jorge Nóvoa (et al.), Cinematógrafo: Um Olhar Sobre a História, EDUFBA/UNESP, Salvador/São Paulo, 2009.

Mulvey Laura, “Prazer visual e cinema narrativo”, em Ismail Xavier (org.), A Experiência do Cinema, Graal Embrafilmes, Rio de Janeiro, 1983.

Nichols Bill, “The ethnographer’s tale”, em Taylor Lucien (org.), Visualizing Theory. Selected essays from V.A.R. 1990-1994.

Pallister Janis L., The cinema of Québecmasters in their own house, Fairleigh Dickinson University Press, Madison, 1995.

Pick Zuzana M., “Chilean cinema: ten years of exile (1973-83)”, em Jump Cut, s/v., n. 32, 1987.

Pick Zuzana M., “Chilean cinema in exile, 1973-1986”, em Martin Michael (org.), New Latin American Cinema, v.2, Wayne State University Press, Detroit, 1997.

Pick Zuzana M., The New Latin America Cinema: a continental project, University of Texas Press, Austin, 1993.

Rosenstone Robert, A História nos Filmes, Os Filmes na História, Paz e Terra, Rio de Janeiro, 2010.

Scott Joan, “História das mulheres”, em Peter Burke (org.), Escrita da História, UNESP, São Paulo, 1992.

Wright Thomas, “Legacy of dictatorship works on the Chilean diaspora”, em Latin American Research Review, v. 30, n. 3, 1995, p. 198-209.

Wright Thomas ; Zúñiga Rody, “Chilean political exile”, em Latin American Perspectives, v. 34, n. 4, 2007, p. 31-49.

Sites

http://www.imdb.com/name/nm0539956/

http://www.filmdirectorssite.com/maril%C3%BA-mallet

http://www.cinechile.cl/persona-6070

Haut de page

Notes

1 http://www.cinechile.cl/persona-6070 (acesso em 20 de agosto de 2013). Cf. Hazelton Hugo, 1994.

2 Alguns títulos de filmes podem ser encontrados aqui: http://www.imdb.com/name/nm0539956/ (acesso em 07 de julho de 2011). Sobre sua formação acadêmica, cf: http://www.filmdirectorssite.com/maril%C3%BA-mallet (acesso em 07 de julho de 2011). Journal inachevé foi requisito necessário para o seu Mestrado em Arte. Pick Zuzana, The new Latin America cinema: a continental project, University of Texas Press, Austin, 1993, p. 222.

3 Cf. Rosenstone Robert, 2010. Debates históricos e estéticos relacionados aos documentários foram sintetizados em Da-Rin Silvio, Espelho partido, Tradição e transformação do documentário, Azougue Editorial, Rio de Janeiro, 2004.

4 Martineau Richard apud. Pallister Janis L. The cinema of Québecmasters in their own house, Fairleigh Dickinson University Press, Madison, 1995, p. 115; p. 155.

5 Pick Zuzana M., “Chilean cinema in exile”, 1973-1986, em Martin Michael (org.), New Latin American cinema,V.2, Wayne State University Press, Detroit, 1997, p.436. Da-Rin Silvio, Espelho partido, Tradição e transformação do documentário, Azougue Editorial, Rio de Janeiro, 2004.

6 A trajetória dos estudos em Scott parte do caso norte-americano, onde se destacam, dentre outros aspectos, as motivações iniciais associadas às lutas por direitos civis nos anos 1970, a institucionalização acadêmica e seus dilemas com a militância e a constatação das “diferenças dentro da diferença” a partir dos anos 1980, que levou às atuais preocupações em torno do gênero. Cf. Scott Joan, 1992.

7 Pick, Zuzana M., “Chilean cinema: ten years of exile (1973-1983)”, Jump cut, s/v., n. 32, 1987. Nichols Bill, The ethnographer’s tale, in Taylor Lucien (org.), Visualizing theory. Selected essays from VAR 1990-1994, p. 75.

8 O tema é amplo e escapa ao alcance do texto. O tema foi objeto de análise em balanços bibliográficos de Angell & Carstairs (1986), Thomas Wright (1995) e Wright e Zúñiga (2007).

9 Quebec pode ser tomada neste filme também como um espaço fora de lugar, com o francês sendo o idioma oficial do país e sua maioria católica, ao contrário do restante do país.

10 Wright Thomas, op. cit., 1995, p. 205.

11 A relação entre cinema e micro-história é destacada por Lagny Michèle, op. cit.

12 Mulvey Laura, «Prazer visual e cinema narrativo», in Xavier Ismail (org.), A experiência do cinema, Graal: Embrafilmes, Rio de Janeiro, 1983. p. 439-440.

13 Rosenstone Robert. op. cit., p. 235-236.

14 Lagny Michèle, op. cit., p. 106.

Haut de page

Table des illustrations

URL http://cinelatino.revues.org/docannexe/image/909/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 1,3M
Haut de page

Pour citer cet article

Référence papier

Ivan Lima Gomes, « Gênero e memória em Journal inachevé de Marilú Mallet (1982-1983) », Cinémas d’Amérique latine, 22 | 2014, 166-173.

Référence électronique

Ivan Lima Gomes, « Gênero e memória em Journal inachevé de Marilú Mallet (1982-1983) », Cinémas d’Amérique latine [En ligne], 22 | 2014, mis en ligne le 01 octobre 2014, consulté le 26 juin 2017. URL : http://cinelatino.revues.org/909 ; DOI : 10.4000/cinelatino.909

Haut de page

Auteur

Ivan Lima Gomes

Professor de teoria e metodologia da história pela Universidade Estadual de Goiás (UEG) e doutorando em história pela Universidade Federal Fluminense (UFF). Temas de pesquisa: história visual, com ênfase na produção de histórias em quadrinhos no Brasil e no Chile durante a Guerra Fria.

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Cinémas d’Amérique latine est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d'Utilisation Commerciale - Pas de Modification 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Presses universitaires du Midi
  • Revues.org