Navigation – Plan du site

Chris Marker e a América Latina: cinema militante e circulação de ideias políticas

Carolina Amaral de Aguiar
p. 4-16
Traduction(s) :
Chris Marker et l’Amérique latine : cinéma militant et circulation des idées politiques

Résumés

Cet article analyse les échanges entre Chris Marker et des institutions et réalisateurs latino-américains dans les années 1960 et 1970. En plus de sa collaboration à leurs productions, il réalisa de nombreux films qui abordent les processus politiques de l’Amérique latine, en particulier la révolution cubaine et l’“expérience chilienne”. Marker établit souvent des parallèles entre ces processus et la situation politique de son propre pays, il s’en sert pour penser de possibles chemins vers le socialisme.

Haut de page

Texte intégral

Uma das raras fotografias de Chris Marker na qual é possível ver seu rosto.

Uma das raras fotografias de Chris Marker na qual é possível ver seu rosto.

1A filmografia de Chris Marker nos anos 1960 e 1970 é marcada por um discurso militante, mas também por uma reflexão autocrítica sobre as estratégias adotadas rumo ao socialismo. Nesse período, ele agiu através de coletivos cinematográficos, desprivilegiando a autoria em prol da vontade de formular e de divulgar ideias políticas com “companheiros”, fazendo do cinema um instrumento de transformação social. Diante dessas características, alguns processos históricos ocorridos na América Latina receberam uma atenção especial do realizador francês, se convertendo em tema de muitos dos seus filmes. Dentre esses processos, destacam-se a Revolução Cubana e o que se convencionou chamar de “experiência chilena”. Percebe-se, porém, que suas produções dedicadas ao continente latino-americano tinham frequentemente como objetivo alimentar os debates da própria esquerda europeia.

  • 1 Vale ressaltar que, embora haja poucos dados bibliográficos sobre Chris Marker, alguns pesquisadore (...)
  • 2 É necessário destacar outra presença importante do grupo de cineastas militantes europeus com os qu (...)

2Assim como muitos intelectuais e artistas franceses, após 1959, Marker interessou-se em conhecer de perto as transformações implementadas pelo triunfo da Revolução Cubana1. Essa motivação correspondeu à política implementada por Alfredo Guevara no Instituto Cubano de Arte e Indústria Cinematográficos (ICAIC) de convidar a Cuba diversos cineastas estrangeiros para produzirem e colaborarem com a formação de jovens cubanos. Diante dessa política, destaca-se, entre os realizadores do bloco ocidental, a presença de Joris Ivens2, uma referência do cinema político que foi à ilha em setembro de 1960 para implementar uma escola de documentário. Pouco tempo depois, foi a vez de Marker ir ao país, em dezembro desse mesmo ano, com o intuito similar de formar quadros para o cinema local e rodar um filme com eles. Dessa experiência nasceu Cuba si! (1961).

  • 3 Além da intenção de celebrar ser evidente na análise do filme, seu primeiro título, modificado post (...)

3Pode-se afirmar que esse documentário é uma celebração da Revolução Cubana e de seus métodos vitoriosos3. Cuba si! foi rodado em meio às comemorações pelo primeiro aniversário do governo revolucionário, valorizando uma “autenticidade cultural do povo cubano” e a “liberdade” conquistada no ano anterior. Marker caracteriza Cuba como uma ilha, um lugar onde a violência, que nos países imperialistas servia para escravizar, se torna libertadora. Nesse sentido, realiza algumas comparações com a França, onde a imprensa se dedicava a transmitir uma imagem negativa de Fidel Castro. O realizador traz a voz desse presidente, defendendo que os franceses deveriam saber que o “eleitorismo” não resolve os problemas de uma nação. Ele caracteriza a presença de uma espécie de democracia direta, sem intermediários entre o líder e seu povo – um fenômeno latino-americano que poderia servir de exemplo para a política europeia.

Le fond de l’air est rouge (Chris Marker, 1977)

Le fond de l’air est rouge (Chris Marker, 1977)

Georges Marchais, então secretário geral do Partido Comunista Francês, discursando sobre o governo de Salvador Allende em fotograma de Le fond de l’air est rouge (1977).

Georges Marchais, então secretário geral do Partido Comunista Francês, discursando sobre o governo de Salvador Allende em fotograma de Le fond de l’air est rouge (1977).

4Após a experiência de Cuba si!, Chris Marker se manteve à distância como um colaborador do ICAIC. Correspondências trocadas entre o cineasta e Alfredo Guevara revelam que essa colaboração não visava somente a discussão de novos modelos estéticos no campo do cinema militante, mas tinha sobretudo objetivos concomitantes ao processo de produção e de distribuição de filmes. Em 1967, o realizador francês fundou um coletivo, a SLON (Société pour le Lancement des Œuvres Nouvelles), o que mostra que buscava caminhos para realizar seus próprios projetos e os de seus companheiros sem depender das estruturas em voga de finalização e de distribuição das grandes produtoras. Nesse sentido, ele procurava parcerias com outras instituições, como o Instituto Cubano.

  • 4 Além da SLON e do ICAIC, participaram da produção de La Bataille des dix millions a Radio télévisio (...)

5Um dos frutos da cooperação entre a SLON e o ICAIC foi La bataille des dix millions (1970)4. Produzido em um momento extremamente desfavorável ao governo cubano, a celebração da Revolução em Cuba si! dá lugar a uma minuciosa análise, que se reivindica como autocrítica. O lirismo trazido pelas imagens e pela voz over na produção anterior é substituído pelo uso de longas sequências – muitas delas de discursos prolongados e com poucos cortes de Fidel Castro – que trazem explicações de ordem econômica para o fracasso em torno de produção de cana-de-açúcar da safra de 1969 – estimada utopicamente em 10 milhões de toneladas –, uma derrota do governo revolucionário que significou o aumento da dependência de recursos injetados pela União Soviética.

6Para a montagem desse documentário, Marker recebeu material fílmico vindo do ICAIC, como os Noticieros e a produção Despegue a las 18.00 (1969), de Santiago Álvarez. Apesar das múltiplas cenas de homens e mulheres simples dedicando-se à colheita, Fidel Castro é o grande protagonista do filme. O maior mérito dessa produção é a sua capacidade de fazer uma autocrítica diante da derrota. O realizador francês se dirige claramente aos setores da esquerda que não suportavam as críticas, inaugurando uma fase do seu cinema militante que repensa as próprias estratégias dessa orientação política, sem, no entanto, abrir mão da defesa do socialismo – tendência da qual Le fond de l’air est rouge (1977) é o melhor exemplo. Ele rebate abertamente, por meio da voz over, a perda de apoio da Revolução Cubana na Europa: “Este ano, Cuba não está exatamente na moda. Nós, europeus, nós amamos muito os povos em luta, na condição que eles sejam completamente mártires ou completamente vitoriosos.”

7Mesmo reiterando seu apoio a Cuba em La bataille des dix millions, Marker se manifestou em carta escrita no dia 8 de maio de 1971 a Alfredo Guevara sobre o “Caso Padilla”, um dos acontecimentos responsáveis por esse rompimento da intelectualidade francesa com o governo de Fidel Castro. O realizador se dirige a Guevara de maneira afetuosa, mas caracterizando a autocrítica do escritor cubano como “grotesca” e “inverossímil”, comparando o fato com os processos de Moscou. Ele elogia a postura do escritor Norberto Fuentes de não assumir essa “autocrítica” forçada pelo Estado de Cuba. Dessa forma, embora Marker não tenha rompido definitivamente com a Revolução Cubana, ao longo da década de 1970, ele passa a tratá-la de forma mais crítica, como ocorre em Le fond de l’air est rouge.

8O intenso contato de Chris Marker com o ICAIC nos anos 1960 e 1970 permitiu que ele tivesse acesso a entrevistas gravadas com um grupo de exilados e material de arquivo relativos à ditadura no Brasil, resultando na montagem de dois curtas-metragens de “contrainformação” – ambos integrantes da série intitulada On vous parle, produzida pela SLON. On vous parle du Brésil: tortures (1969) foi montado com depoimentos de ex-prisioneiros do governo militar brasileiro, cuja liberdade foi negociada em troca do embaixador norte-americano Charles Burke Elbrick, sequestrado pela Ação Libertadora Nacional (ALN) e pelo Movimento Revolucionário 8 de Outubro (MR-8). O documentário apresenta duas partes com estratégias de montagem distintas. A primeira faz uma introdução sobre o caso, composta de documentos visuais e uma locução em off de caráter informativo, claramente baseada no manifesto redigido pela ALN e pelo MR-8 para negociar a liberação do estadunidense, enquanto a segunda parte traz depoimentos de seis brasileiros entrevistados. Pode-se dizer que se trata de um filme-denúncia sobre a violência institucionalizada por esse Estado.

Fotograma de Cuba si! (1961), fruto da estadia de Chris Marker no ICAIC após a Revolução Cubana.

Fotograma de Cuba si! (1961), fruto da estadia de Chris Marker no ICAIC após a Revolução Cubana.

9Outro curta-metragem montado com a ajuda do ICAIC denuncia a repressão no Brasil e homenageia um líder guerrilheiro morto um ano antes da sua montagem: On vous parle du Brésil: Carlos Marighela (1970). Esse documentário usa a estratégia da contrainformação para divulgar uma visão positiva de Marighela, transmitindo a ideia de que existiria uma ampla resistência contra a ditadura, na qual a guerrilha urbana teria um papel de destaque. Realizado num momento de derrota da esquerda armada brasileira, o filme de Marker adota um discurso militante no sentido mais estrito do termo, incentivando a continuidade das ações empreendidas pelo líder da Ação Libertadora Nacional (ALN) ao afirmar que o caminho que ele seguia, apesar da sua morte, era o único possível nesse contexto repressivo.

10Os dois filmes sobre o Brasil, a exemplo de outras produções de Marker nessa época, circularam em televisões europeias e em circuitos militantes (como sindicatos, fábricas, movimentos sociais, etc). Nesse sentido, pode-se dizer que o realizador francês desempenhou um importante papel ao divulgar a repressão da ditadura brasileira, buscando mobilizar esforços de solidariedade em torno dos seus exilados. Essas ações seriam ainda mais intensificadas após o golpe de Estado no Chile, quando ele esteve envolvido em quatro produções que abordaram o governo de Salvador Allende e sua queda, engajando-se nas ações que visavam denunciar e reverter as atrocidades realizadas pelo governo de Augusto Pinochet. No caso chileno, no entanto, o envolvimento de Marker foi ainda maior, e começou antes mesmo do 11 de setembro de 1973.

Fotograma de La Spirale (1976) mostra a campanha eleitoral que consagrou Salvador Allende nas ruas de Santiago.

Fotograma de La Spirale (1976) mostra a campanha eleitoral que consagrou Salvador Allende nas ruas de Santiago.
  • 5 Posteriormente, a SLON iniciou a tentativa de fazer uma versão francesa do filme La respuesta de oc (...)

11Em 1962, o realizador francês foi convidado por Joris Ivens para escrever o comentário para À Valparaíso (1962) – filme que montava em Paris, após o ter rodado na cidade-título com auxílio do Centro de Cine Experimental de la Universidad de Chile. Dez anos depois, Marker foi à nação latino-americana que conhecera pelo olhar de Ivens, dessa vez acompanhando a equipe de Costa- Gavras que filmava, em Santiago, État de siège (1972). Ele tinha como objetivo observar e refletir sobre as mudanças promovidas pela Unidade Popular, aliança de esquerda que chegou ao poder em 1970 por meio das urnas, para possivelmente abordá-las na forma de um documentário. Nessa ocasião, conheceu Patrício Guzmán, que terminara de rodar El primer año (La première année, 1971), um retrato do primeiro ciclo do governo Allende. Marker decidiu então abandonar seu projeto para realizar uma versão francesa dessa produção, em parceria com a SLON, considerando-a mais adequada para informar o público europeu sobre a situação chilena5.

La Bataille des dix millions (1971)

La Bataille des dix millions (1971)

12O contato de Marker com Guzmán foi fundamental para que o cineasta chileno seguisse seu projeto de registrar as mudanças e os conflitos na época da Unidade Popular. O realizador francês enviou a película virgem ao Chile, quando o bloqueio das importações vindas dos Estados Unidos, imposto pela UP, dificultava o acesso a essa matéria-prima. Essa ajuda permitiu que a equipe de realizadores chilenos reunidos em torno do projeto El tercer año gravasse, por exemplo, as tomadas das eleições parlamentares de março de 1973, material que viria a integrar La batalla de Chile – La insurrección de la burguesía (La Bataille du Chili – L’insurrection de la bourgeoisie, 1975). Esse documentário – que se tornou o símbolo da cinematografia do exílio chileno, mobilizando esforços internacionais pela solidariedade aos perseguidos pela ditadura militar – também se viabilizou pelas ações da SLON em prol da sua montagem. Nesse sentido, foram Marker e seus parceiros que apresentaram Guzmán ao ICAIC, onde a produção foi editada.

  • 6 Vale destacar que Debray chegou ao Chile no final de dezembro de 1970, ao conseguir a liberdade da (...)

13Além das iniciativas frente às produções desse cineasta chileno, o realizador francês editou uma versão de Compañero Presidente (1971), de Miguel Littín. On vous parle du Chili: ce que disait Allende (1973) foi a primeira iniciativa de Marker durante a ditadura no Chile com o objetivo de difundir na Europa as ideias do presidente morto, atribuindo-lhe um legado político que resistiria ao golpe de Estado. É importante destacar, neste filme, a presença do jornalista Régis Debray, um dos grandes protagonistas da proximidade entre as esquerdas francesa e chilena na época, e que aliás já havia exercido o papel de mediador após a Revolução Cubana. Originalmente, o filme de Littín era o registro de uma entrevista (realizada em janeiro de 1971) concedida por Allende, líder da Unidade Popular6, a Debray, que era visto como um ícone da luta armada após a ida à guerrilha de Che Guevara e sua prisão na Bolívia. Foi graças ao contato com o jornalista que Marker teve acesso ao material usado pela produção chilena, realizando uma nova edição.

Equipe de El primer año (1971), documentário chileno que teve uma versão francesa realizada por Chris Marker. Na foto, da esquerda para à direita, Felipe Orrego, Patricio Guzmán e Antonio Ríos.

Equipe de El primer año (1971), documentário chileno que teve uma versão francesa realizada por Chris Marker. Na foto, da esquerda para à direita, Felipe Orrego, Patricio Guzmán e Antonio Ríos.

14No filme de Littín, o embate entre Salvador Allende – símbolo da “via pacífica” ao socialismo – e Régis Debray – visto na França como um dos maiores defensores da tática de guerrilhas – é bastante forte, criando diversos momentos de tensão. No entanto, após o 11 de setembro, pode-se dizer que Marker atenuou essa tensão em sua versão do documentário, alterando a ordem da montagem, suprimindo alguns debates e inserindo novos trechos que estavam ausentes em Compañero Presidente. Ele manteve, porém, as imagens de arquivo que mostravam o líder da Unidade Popular ao lado do povo, bem como algumas falas proféticas que previam um trágico fim para a chamada “experiência chilena”. Nesse sentido, essa produção foi constituída com a intenção de denunciar boicotes da direita chilena e, principalmente, dos Estados Unidos, em detrimento de um questionamento sobre a Unidade Popular.

Le Joli Mai (1963), de Chris Marker et Pierre Lhomme

Le Joli Mai (1963), de Chris Marker et Pierre Lhomme

15O espaço ocupado pelo Chile na obra de Chris Marker nos anos 1970 foi ainda maior do que aquele destinado à Cuba na década anterior. Em grande parte, esse fato pode ser explicado pelo interesse que o país despertou na intelectualidade e na política francesa por vivenciar um quadro político próximo ao almejado por essa esquerda europeia, ou seja, o de uma união entre os partidos Socialista e Comunista visando à vitória eleitoral e à instauração de um socialismo democrático. Diante das negociações por um programa comum e aglutinador, a França vislumbrava a consolidação de uma Union populaire, onde o caso da Unidad Popular chilena atraía holofotes. Apesar de não ter sido nunca afiliado a um partido político, as convicções de esquerda de Marker o permitiram participar ativamente do debate sobre as vias de acesso a uma sociedade socialista.

16Se On vous parle du Chili foi montado na urgência de mostrar o trágico fim da Unidade Popular, como também para apoiar os movimentos internacionais de solidariedade ao país latino-americano, Chris Marker retrabalhou essa temática em L’Ambassade (1974), produção complexa e surpreendente. Diante da oportunidade de participar de um festival de super-8, ele realizou uma experiência estranha: reuniu amigos no apartamento de Lou, a esposa do pintor cubano Wilfredo Lam, em Paris, que era um lugar que poderia se passar por uma embaixada. As imagens foram gravadas como um “cinema direto”, com as imperfeições, as tremidas, os barulhos característicos da câmera super-8. A voz off declara na primeira cena que não se trata de um filme, mas de notas apreendidas no dia a dia, como se os comentários estivessem escritos com a ajuda das anotações do autor feitas naquele momento. No entanto, há um grave problema: as cenas foram captadas como cinema direto, porém o som foi inserido após o contexto representado. Essa manipulação faz com que o espectador se veja diante de um documentário que, na última cena, é revelado como uma ficção.

Folder divulga a exibição da versão francesa de El primer año em Paris. O material contava com um desenho de Jean-Michel Folon, que participou também de La Spirale (1976).

Folder divulga a exibição da versão francesa de El primer año em Paris. O material contava com um desenho de Jean-Michel Folon, que participou também de La Spirale (1976).

17Inúmeros personagens são colocados nessa “embaixada” por Marker: um anarquista, uma refugiada política em múltiplos países, músicos, um fotógrafo, um advogado... Em um determinado momento, as notícias televisivas sobre a Junta Militar no Chile e suas declarações fazem implodir conflitos internos entre essas pessoas de esquerda, que o narrador prefere abster-se de contar. Na última sequência, o efeito do cinema direto é desmascarado. Os espectadores que acreditavam ver um documentário sobre um país da América Latina vêem pela janela da embaixada o rio Sena e a Torre Eiffel.

18L’Ambassade é a segunda ficção de Marker, depois de La Jetée (1962). No entanto, o filme é apresentado como um relato encontrado, um fragmento do real. De fato, ele utiliza o tema da queda de Salvador Allende para discutir o mundo da esquerda. Esse mundo aparece representado como sendo comunitário, porém fechado. Nesse universo isolado da sociedade, as diferenças de estratégia impedem o caminho até o socialismo. Sem dúvida, o filme é uma autocrítica das divergências da Unidade Popular, e também dos debates inúteis em toda a esquerda, em particular a francesa – evocada pela presença da Torre Eiffel na cena final.

19L’Ambassade foi montado em 1974. Nesse mesmo ano, Chris Marker começou um outro grande projeto sobre o tema da Unidade Popular: o documentário La Spirale, que estreou em 1976. Ele conheceu Armand Mattelart no Chile, onde esteve em 1972. O sociólogo belga vivia no país desde 1962 e, depois do golpe de Estado, mudou-se para Paris, onde reencontrou Marker. A sua tese para explicar o golpe era que a consciência de classe estava mais desenvolvida na burguesia chilena do que na classe operária, e que então a burguesia fomentou uma “frente de massa leninista de direita”: esta seria a razão da queda de Allende. O cineasta francês decidiu, assim, fazer um filme coletivo para debater os fenômenos que foram responsáveis pela tragédia de 11 de setembro de 1973. Como a tese de Mattelart era um ponto de partida, o sociólogo foi considerado um dos realizadores.

20Como havia feito em 1967 para Loin du Vietnam, Marker reuniu uma equipe de profissionais do cinema para defender uma causa. As duas montadoras, Jacqueline Meppiel e Valérie Mayoux, eram as responsáveis pela pesquisa de numerosos extratos fílmicos realizados durante os anos da Unidade Popular, fruto da observação de diversos atores internacionais. Esse material de arquivo foi utilizado na montagem de um “filme-dossiê”, que traz imagens audiovisuais de outras produções transformadas em “provas” das ações planejadas pela direita chilena.

21Esse documentário valoriza as conquistas e as transformações sociais geradas pelo governo Allende. Ao contrário de L’Ambassade, ele escamoteia as divisões internas da aliança de esquerdas, preferindo dedicar-se às estratégias da direita. Apesar do contexto desfavorável, o filme sugere que os movimentos de esquerda poderiam prosseguir clandestinamente no país latino-americano. A voz off declara: “cada vez que vocês virem as imagens do Chile após setembro, tentem escutar uma outra banda sonora do que aquela que fala de ‘normalização’”. Assim, os realizadores insistem na ideia de que a luta não está perdida, pois ela ainda não terminou.

22Antes do golpe de Estado no Chile, ocorreram outras derrotas da esquerda internacional, sobretudo a partir de 1967. Dessa forma, era uma missão difícil repensar as estratégias do socialismo durante os anos 1970. Chris Marker aceitou esse desafio e, em 1973, começou a montar um documentário para criar uma reflexão engajada, mas, ao mesmo tempo, autocrítica. Uma análise das lutas políticas de seu tempo, o roteiro de Le fond de l’air est rouge tem o sugestivo subtítulo de “scènes de la troisième guerre mondiale”. Nessa grande batalha, os eventos chilenos são o último capítulo, que traz o curioso título de “Du Chili à – quoi, au fait ?”.

23Le fond de l’air est rouge coloca a seguinte questão: por que a esquerda perdeu tantas batalhas? Se em La Spirale havia a mensagem de que é necessário conhecer o seu inimigo para ganhar a guerra, nesta outra produção é possível dizer que é necessário conhecer-se a si mesmo. No lugar das batalhas utópicas, esse documentário vê na Nova Esquerda um caminho possível. O capítulo sobre o Chile é introduzido justamente após a discussão sobre o programa comum entre o PS francês e o PCF. As imagens da Festa da Humanidade de 1972, onde os militantes vendem produtos da Union Populaire, são mostradas ao som da voz over que explica como o sonho de uma esquerda unida exigiu uma grande transformação nos Partidos Comunista e Socialista. Marker insere na montagem uma fala de Georges Marchais, gravada no período anterior ao golpe, declarando ter certeza do engajamento dos comunistas franceses caso a Unidade Popular chilena fosse ameaçada. Essa frase recorda aos militantes europeus o dever de engajamento em torno dos companheiros chilenos.

La Jetée (1962)

La Jetée (1962)

24Os filmes e as iniciativas citados neste artigo demonstram que Chris Marker exerceu uma mediação importante entre a América Latina e a Europa em relação à produção e à divulgação de produções cinematográficas. No entanto, sua análise revela também que o realizador se apropriou frequentemente, por meio do cinema, de debates e discussões das esquerdas latino-americanas para pensar os rumos da sua própria Nação e continente. Além disso, ele atuou enfaticamente em movimentos de resistência e de solidariedade diante das ditaduras militares instauradas, especialmente no caso do Brasil e do Chile. Todas essas ações corroboram um caráter internacionalista que marcou toda a trajetória markeriana. Esse internacionalismo estava igualmente presente em sua militância e nos caminhos que acreditava serem os possíveis para uma sociedade socialista.

Haut de page

Notes

1 Vale ressaltar que, embora haja poucos dados bibliográficos sobre Chris Marker, alguns pesquisadores apontam para a hipótese que Christian-François Bouche-Villeneuve (seu nome de nascimento) seria proveniente de uma família aristocrática francesa e que, por conta de negócios do seu pai na América Latina, teria vivido alguns anos da sua infância em Cuba. Essa informação, não confirmada, é citada por Arnaud Lambert, que, baseado no CD-Rom Immemory (1997), afirma que o realizador viveu na ilha entre os onze e os treze anos, tendo estudado no colégio La Salle, onde teria conhecido alguns dos revolucionários cubanos.

2 É necessário destacar outra presença importante do grupo de cineastas militantes europeus com os quais Marker esteve em contato: Agnès Varda. A diretora realizou em Cuba o documentário Salut les Cubains ! (1963), para o qual Cuba si! foi uma clara referência. Ambos exaltam o aspecto cultural do povo cubano e seu papel na Revolução. Partem também de uma visão europeia sobre o país, se propondo a desconstruir os preconceitos e os clichês atribuídos pela França.

3 Além da intenção de celebrar ser evidente na análise do filme, seu primeiro título, modificado posteriormente para Cuba si!, era Celebración.

4 Além da SLON e do ICAIC, participaram da produção de La Bataille des dix millions a Radio télévision belge (RTB) e a produtora de Costa-Gavras, K.G.

5 Posteriormente, a SLON iniciou a tentativa de fazer uma versão francesa do filme La respuesta de octubre (1972), a segunda produção de Guzmán rodada nos anos da Unidade Popular. Porém, após o golpe de Estado, esses esforços se concentraram diante do projeto El tercer año, que posteriormente resultaria em La batalla de Chile, não concluindo a dita versão do filme anterior.

6 Vale destacar que Debray chegou ao Chile no final de dezembro de 1970, ao conseguir a liberdade da prisão na Bolívia, e permaneceu durante o governo da Unidade Popular morando entre este país latino-americano e a França, desempenhando inclusive o papel de portador entre sujeitos, como no caso de Marker e Guzmán.

Haut de page

Table des illustrations

Titre Uma das raras fotografias de Chris Marker na qual é possível ver seu rosto.
URL http://cinelatino.revues.org/docannexe/image/77/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 268k
Titre Le fond de l’air est rouge (Chris Marker, 1977)
URL http://cinelatino.revues.org/docannexe/image/77/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 300k
Titre Georges Marchais, então secretário geral do Partido Comunista Francês, discursando sobre o governo de Salvador Allende em fotograma de Le fond de l’air est rouge (1977).
URL http://cinelatino.revues.org/docannexe/image/77/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 44k
Titre Fotograma de Cuba si! (1961), fruto da estadia de Chris Marker no ICAIC após a Revolução Cubana.
URL http://cinelatino.revues.org/docannexe/image/77/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 80k
Titre Fotograma de La Spirale (1976) mostra a campanha eleitoral que consagrou Salvador Allende nas ruas de Santiago.
URL http://cinelatino.revues.org/docannexe/image/77/img-5.jpg
Fichier image/jpeg, 1,3M
Titre La Bataille des dix millions (1971)
URL http://cinelatino.revues.org/docannexe/image/77/img-6.jpg
Fichier image/jpeg, 144k
Titre Equipe de El primer año (1971), documentário chileno que teve uma versão francesa realizada por Chris Marker. Na foto, da esquerda para à direita, Felipe Orrego, Patricio Guzmán e Antonio Ríos.
URL http://cinelatino.revues.org/docannexe/image/77/img-7.jpg
Fichier image/jpeg, 992k
Titre Le Joli Mai (1963), de Chris Marker et Pierre Lhomme
URL http://cinelatino.revues.org/docannexe/image/77/img-8.jpg
Fichier image/jpeg, 424k
Titre Folder divulga a exibição da versão francesa de El primer año em Paris. O material contava com um desenho de Jean-Michel Folon, que participou também de La Spirale (1976).
URL http://cinelatino.revues.org/docannexe/image/77/img-9.jpg
Fichier image/jpeg, 444k
Titre La Jetée (1962)
URL http://cinelatino.revues.org/docannexe/image/77/img-10.jpg
Fichier image/jpeg, 677k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence papier

Carolina Amaral de Aguiar, « Chris Marker e a América Latina: cinema militante e circulação de ideias políticas », Cinémas d’Amérique latine, 21 | 2013, 4-16.

Référence électronique

Carolina Amaral de Aguiar, « Chris Marker e a América Latina: cinema militante e circulação de ideias políticas », Cinémas d’Amérique latine [En ligne], 21 | 2013, mis en ligne le 09 avril 2014, consulté le 26 avril 2017. URL : http://cinelatino.revues.org/77 ; DOI : 10.4000/cinelatino.77

Haut de page

Auteur

Carolina Amaral de Aguiar

Doutoranda em História Social pela Universidade de São Paulo (USP), licenciada em História e Mestre em História da Arte pela mesma instituição. Realizou um estágio doutoral no Institut des Hautes Études de l’Amérique latine (Paris III), em 2011. Integra a equipe de pesquisadores do programa internacional USP-Cofecub, intitulado “Exercícios de história cultural conectada: caminhos cruzados entre Brasil, América Latina e França”, entre outros grupos de estudos em História e Audiovisual situados na USP.

Articles du même auteur

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Cinémas d’Amérique latine est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d'Utilisation Commerciale - Pas de Modification 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Presses universitaires du Midi
  • Revues.org