Navigation – Plan du site

A escrita da História no cinema de Leon Hirszman. Um comunista diante das contradições do movimento operário (1979-1981)

Reinaldo Cardenuto
p. 56-67
Traduction(s) :
L’écriture de l’histoire dans le cinéma de Leon Hirszman. Un communiste face aux contradictions du mouvement ouvrier (1979-1981)

Résumés

De 1979 à 1981, face à l’émergence d’un mouvement ouvrier capable d’amplifier la résistance à la dictature brésilienne, Leon Hirszman a réalisé deux films d’analyse politique du temps présent : ABC da greve, consacré aux grèves des métallurgistes de 1979 ; et Eles não usam black-tie (1981), adapté de la pièce de théâtre éponyme de Gianfrancesco Guarnieri. L’objectif de cet article est d’analyser les constructions esthétiques et les représentations politiques présentes dans ces films, en partant des contradictions de la scène politique brésilienne de l’époque.

Haut de page

Notes de la rédaction

Esse artigo foi escrito para a jornada de estudo “Histoire(s) du cinéma brésilien, ocorrida em 19 de junho de 2012, em Paris, e organizada pela Association pour la recherche sur le Brésil en Europe (Arbre).

Texte intégral

Meu risco sempre foi esse. Joguei no campo das minhas convicções. Eu jogo no campo da liberdade, pela liberdade. Eu não jogo no campo da hesitação e da noite. Não, não jogo nesse campo, porque eu acho que o intelectual que jogue no dia e que jogue em contato e que jogue na interação com o povo, numa perspectiva comu que seja de um processo de justiça social, de paz mundial e de democracia efetiva, de ampliação constante da democracia no país, eu acho que esse intelectual tem um caminho real.

Entrevista concedida por Leon Hirszman à rádio Jornal do Brasil, setembro de 1981

1Integrante do Partido Comunista Brasileiro (PCB), Leon Hirszman foi um dos principais articuladores do movimento conhecido como Cinema Novo. Influenciado por teses marxistas que se tornaram centrais nos debates políticos da América Latina entre os anos 1950 e 1960, em especial a aposta teleológica na Revolução de esquerda, Hirszman realizou uma obra cinematográfica em compromisso com a representação politizada da classe popular. Em 1962, rendendo homenagem a Sergei Eisenstein, ele iniciou sua trajetória artística ao dirigir uma das partes do longa-metragem Cinco vezes favela, o episódio Pedreira de São Diogo, filme de narrativa exemplar no qual alguns operários, unindo-se aos habitantes de uma favela carioca, conseguem impedir a decisão gananciosa do gerente de uma pedreira de explodir dinamites que colocariam em risco a vida de moradores do morro. A união simbólica entre os dois grupos do povo, sem esquecer a presença imaterial do cineasta como instância responsável pelo jogo político idealizado, procurava gerar, ao nível da representação, uma sensação de uniformidade e de vigor comumente atribuídas à classe proletária no confronto contra as forças capitalistas. Infelizmente, a realidade social se mostraria bem distante da leitura proposta em Pedreira de São Diogo. Em 1964, não seria o popular a assumir o poder no Brasil, mas os militares e os tecnocratas alinhados à extrema direita da época.

ABC da greve (1979)

ABC da greve (1979)

Remise du Lion d’or à Venise en 1981 à Leon Hirszman par Liv Ullmann, présidente du jury, pour son film Eles não usam black-tie.

Remise du Lion d’or à Venise en 1981 à Leon Hirszman par Liv Ullmann, présidente du jury, pour son film Eles não usam black-tie.

Eles não usam black-tie (1981)

Eles não usam black-tie (1981)

2O pós-1964 configurou-se para o Cinema Novo como um tempo de crise. A partir da implantação da ditadura, tornada mais aguda em dezembro de 1968, a esquerda viveu um processo de intenso desmantelamento que atingiu diretamente o PCB. O recuo do idealismo revolucionário que atravessara os filmes cinemanovistas anteriores a 1964 foi sentido na realização artística de Leon Hirszman. De início, o cineasta pareceu compartilhar de um sentimento agônico geracional que se encontra na essência de obras como O desafio (1964), de Paulo César Saraceni, A grande cidade (1966), de Cacá Diegues, e principalmente Terra em transe (1967), de Glauber Rocha. Em 1967, Hirszman dirigiu Garota de Ipanema, filme no qual a imagem romântica da mulher brasileira, internacionalizada pela Bossa Nova, torna-se melancólica e é colocada diante do mal-estar de seu tempo histórico; e, em 1972, realizou S. Bernardo, adaptação do livro homônimo de Graciliano Ramos sobre as amarguras de um latifundiário embrutecido pelos mecanismos de reificação.

3Em meados da década de 1970, no entanto, Hirszman reavaliou seu trabalho como artista e militante. Ainda que a sensação de mal-estar presente nos dois filmes citados gerasse uma resistência simbólica à ditadura, a partir do documentário Que país é este? produzido pela RAI em 1977, o cineasta iniciou um processo de investigação com a expectativa de encontrar o novo lugar a ser ocupado pela esquerda em um futuro movimento de redemocratização do Brasil. Em tom mais afirmativo, porém distante do idealismo romântico que estava na origem de Pedreira de São Diogo, Hirszman procurava ultrapassar a agonia enfrentada por sua geração na tentativa de reposicionar no jogo político a esquerda em crise. Produzido pela emissora televisiva RAI, hoje um filme desaparecido, do qual resta apenas uma transcrição da banda sonora, Que país é este? colocava no centro do debate vozes intelectuais em resistência aos militares - como Fernando Henrique Cardoso, Alfredo Bosi e Maria da Conceição Tavares - e procurava formular e defender uma hipótese: face a um governo autoritário que dava mostras de enfraquecimento, a sociedade civil deveria se reorganizar como força de pressão em recusa aos instrumentos autoritários de poder.

4Após um agudo período de incertezas, agravado pelo episódio da censura ao filme S. Bernardo - um dos motivos que provocou o fechamento da produtora de Hirszman, a Saga Filmes -, o cineasta retomou o seu compromisso com uma cinematografia marxista de práxis política. Em março de 1979, quando Hirszman iniciava com o dramaturgo Gianfrancesco Guarnieri a adaptação para o cinema da peça Eles não usam black-tie, ele foi surpreendido por um movimento de massas que alteraria o rumo histórico da esquerda brasileira. No dia 13 de março daquele ano, contrariando a lei militar que desde 1964 impedia a livre realização de greves no país, os metalúrgicos da região do ABC, das cidades de industrialização multinacional no entorno de São Paulo, enfrentaram-se à lei militar que proibia o direito de greve desde 1964, declararam uma paralisação de suas atividades com o objetivo de reivindicar reajustes salariais, melhorias nas condições do trabalho e estabilidade de emprego para aqueles que atuavam como dirigentes sindicais. Imbuído do desejo de participar, como artista, de um processo que considerava central para a oposição aos militares, Hirszman interrompeu a escrita do roteiro de Eles não usam black-tie e partiu em direção à cidade de São Bernardo do Campo, onde registrou, entre março e maio de 1979, com uma pequena equipe de filmagem, o desenrolar da greve operária.

5Nos demais meses daquele ano, junto ao fotógrafo Adrian Cooper, Hirszman realizou a montagem do filme ABC da greve. Estimulado pelo surgimento de novos movimentos populares de contestação ao final dos anos 1970, o cineasta esperava fazer de seu documentário uma leitura dialética do tempo presente e um instrumento para a reflexão e a práxis da classe trabalhadora. Colocando no centro do filme o novo movimento sindical que, liderado pela figura carismática de Lula, politizava de forma inédita as bases operárias do país, Hirszman pretendia transformar seu longa-metragem em uma resposta ao fechamento político imposto à nação desde a década de 1960.

6ABC da greve é um documentário de engajamento que surgiu do impulso em agir sobre a História em movimento.Embora não exista ali um retorno ao projeto revolucionário anterior a 1964, tornado impraticável no plano político, o filme procura construir a idéia de que estaria em formação no Brasil uma ampla frente de ação da esquerda. Cinema de tese, cujos pressupostos provêm de um artista formado na antiga tradição do Partido Comunista Brasileiro, ABC da greve acompanha didaticamente a cronologia da greve metalúrgica ocorrida no primeiro semestre de 1979, enquanto a lógica de sua montagem busca conduzir a uma leitura idealizada na qual as diversas representações da esquerda aparecem como bloco unitário, harmônico, em enfrentamento ao inimigo comum, a ditadura.

7Diante da forte expectativa de Hirszman em ver realizar-se um projeto de redemocratização, a observação da realidade social brasileira é conduzida por uma dialética de simples oposições: de um lado, há o grupo formado por militares, grandes empresários e pela imprensa televisiva; de outro, aquele composto por operários de várias tendências, universitários, artistas engajados, representantes do PCB e de partidos como o MDB (Movimento Democrático Brasileiro), naquela época a única voz de oposição que o gonverno miltar considerava como legal. O típico em ABC da greve é o confronto entre esses dois grandes grupos com a finalidade de denunciar o aparato ditatorial: como na seqüência das comemorações do Primeiro de Maio, em que as imagens festivas com milhares de trabalhadores surgem para desmanchar o discurso televisivo do Presidente João Figueiredo, que promete ações repressivas contra os operários em nome da “tranquilidade e da ordem social”.

8No documentário, embora os personagens centrais sejam pertencentes ao novo sindicalismo liderado por Lula, o interesse de Hirszman não está em debater questões específicas da contestação operária, como a melhoria nas condições de trabalho, mas em sugerir que a questão operária deveria ser encarada como parte de um processo maior, estrutural, de contestação ao regime autoritário. Se eu saliento essa característica, é que me parece fundamental demonstrar que o filme foi pensado, acima de tudo, como aposta estratégica na formação de uma frente ampla de resistência à ditadura. Em ABC da greve, a autonomia política dos trabalhadores e as fissuras que já se anunciavam na esquerda brasileira são propositalmente deixadas de lado em nome do projeto considerado maior, mais fundamental, o de redemocratização do país. O problema, no entanto, é que essa leitura idealista de Hirszman, um comunista distante da prática política específica aos metalúrgicos, parecia rapidamente envelhecer diante das tensões que explodiam na realidade social.

A Falecida (1965)

A Falecida (1965)
  • 1 Tratam-se do Partido Comunista do Brasil (PC do B), que em 1962 nasceu de uma cisão com o Partido C (...)

9Grosso modo, o movimento operário brasileiro dos anos 1970 e 1980 foi atravessado por uma violenta disputa pela hegemonia da esquerda. De um lado, o PCB e setores do PC do B e do MR-81,a formar um bloco historicamente conhecido como “Unidade Sindical”, defendiam uma postura clássica de militância, identificada com os pressupostos de um revisionismo marxista: o PCB desejava sair da crise e se tornar uma espécie de “partido do povo” a liderar as diferentes alas da esquerda com o objetivo de implantar no país uma democracia de princípios socialistas. Para este grupo, a mobilização central do sindicalismo não se encontrava em reivindicações trabalhistas, mas sim na questão política ampla, estrutural, de derrubada dos militares do poder.

Eles não usam black-tie (1981)

Eles não usam black-tie (1981)

10De outro lado, o chamado “bloco combativo”, os “autênticos”, era formado principalmente pelo novo sindicalismo do ABC paulista, que defendia a completa reinvenção das associações de representação dos operários. Este grupo, cuja liderança maior foi Lula, concentrou o seu programa não na transformação política totalizante da sociedade, mas sim na luta mais direta por direitos econômicos e trabalhistas. Radicalmente contrários à estrutura sindical criada sob intervenção dos militares, não reconheceram o PCB como um partido que os pudesse representar e desconfiavam das propostas de origem marxista, que consideravam autoritárias e uma forma de controle sobre a autonomia política dos operários.

11Embora os dois blocos tenham mantido uma breve aproximação estratégica durante a greve de 1979, passariam toda a década de 1980 em acirrado confronto pelo domínio do campo político. Enquanto o PCB viveu, no período, um aprofundamento de sua crise, perdendo cada vez mais a representatividade junto às bases populares, o novo sindicalismo, tornando-se voz dos operários em nível nacional, colocou-se na liderança de um novo partido, o PT (Partido dos Trabalhadores), que a partir de 1980 iniciaria um processo gradual de consolidação da nova hegemonia da esquerda. O documentário ABC da greve, ao assumir um viés ideológico mais próximo ao PCB, militava em prol de uma harmonia impossível diante das tensões históricas da esquerda, a pressupor a possibilidade de que os dois blocos pudessem se unir, sem tensões, em combate contra a ditadura. Teria sido essa escrita idealista da História em movimento, leitura que rapidamente envelheceu diante das profundas fissuras e transformações políticas, o motivo que levou Hirszman, após a montagem de ABC da greve, a não finalizar e exibir o seu documentário? O filme, que permaneceria esquecido, acabou lançado apenas em 1991, quatro anos após a morte do cineasta, já completamente despido do desejo inicial de práxis, transformando-se de instrumento político em documento histórico. A obstinação romântica de Hirszman em torno da redemocratização, inscrita na narrativa de ABC da greve, seria, no entanto, reavaliada por ele no projeto de Eles não usam black-tie.

Garôta de Ipanema, 1967

Garôta de Ipanema, 1967
  • 2 O Teatro de Arena foi fundado em 1953 e se tornou um dos marcos brasileiros do teatro de engajament (...)

12Logo após o término das filmagens de ABC da greve, Hirszman retomou a adaptação cinematográfica de Eles não usam black-tie. Peça escrita por Gianfrancesco Guarnieri em 1956, encenada pelo Teatro de Arena em 19582, Black-tie foi um dos marcos inaugurais da geração de artistas comprometidos com uma dramaturgia de essência marxista. Na tradição do realismo crítico, o texto original de Guarnieri é atravessado por um “sentimento de tempo” no qual a esquerda brasileira, especialmente aquela de filiação comunista, idealizava a classe popular como protagonista de um futuro processo revolucionário de ruptura política. Escrita sob influência desse pressuposto ideológico, intenso no imaginário esquerdista anterior a 1964, a peça concentra-se no confronto dramático vivido no interior de uma família operária: de um lado há o pai, Otávio, líder sindical de filiação comunista; de outro encontra-se o filho, Tião, rapaz individualista que coloca seu projeto de ascensão social acima da luta coletiva do povo. Quando uma greve explode, a cisão simbólica entre os dois torna-se irreversível. Com a namorada grávida e com medo de perder o emprego, Tião boicota a paralisação operária. Otávio, após ser reprimido pela polícia e descobrir a traição do filho à greve, resolve expulsá-lo de casa, esperando que um dia o jovem se conscientize ideologicamente e reencontre os vínculos com a sua comunidade. Embora estejamos diante de uma fissura familiar, o movimento operário é celebrado na peça como vitorioso: ao propor esse desfecho, Guarnieri moldou uma narrativa exemplar na qual o sacrifício particular, de ordem afetiva, tornava-se parte da representação romântica em torno de uma classe que, acreditava-se, poderia tomar em suas mãos a condução da História. O pós-1964 gerou um abalo nessa crença da esquerda brasileira e é curioso pensar que Hirszman, já no final da década de 1970, em um momento de crise para os comunistas, escolheu justamente adaptar para o cinema o texto de Black-tie.

A Falecida (1965)

A Falecida (1965)

13Lançado em 1981, o filme contém, no entanto, diferenças significativas se comparado ao texto original de Guarnieri. Mesmo que o longa-metragem não altere o confronto dramático central da peça, aquele que se concentra na cisão ideológica e afetiva entre um pai e seu filho, Hirszman se afastou do pressuposto romântico que estava na essência da obra teatral para compor uma visão mais crítica e aguda sobre o Brasil do início dos anos 1980. Fiel ao espírito contido na peça de Guarnieri, a adaptação cinematográfica de Black-tie manteve a defesa da militância comunista, mas ao mesmo tempo procurou atualizar o texto de 1956. Apostando na presença de atores televisivos para ampliar o diálogo do filme com os espectadores brasileiros, Hirszman deu sobrevida ao realismo crítico de sua geração ao inserir em Black-tie um sentimento de mal-estar diante do Brasil que vivia seu contraditório processo de redemocratização. Enquanto predominava na obra teatral um tom politicamente afirmativo, de projeção otimista sobre a classe popular, o filme tornava-se a representação das profundas crises de um país que por anos foi submetido à ditadura. Desestabili-zando a fragilidade romântica anterior, o cineasta inseriu em sua adaptação a presença da violência e da morte. No longa-metragem, em que a greve é derrotada pela repressão, a morte é um dado sensível para a leitura do Brasil. No tecido dramático, Hirszman insere assassinatos inexistentes na peça: o de um jovem assaltante, menor de dezoito anos, morto brutalmente pela polícia; o do pai de Maria, a noiva de Tião, que é baleado por um bandido; e o mais significativo, o do militante comunista Bráulio, melhor amigo de Otávio, cuja morte é praticamente o símbolo de uma velha esquerda em vias de desaparecimento. Embora o cineasta não abandone certo viés idealista que atravessa toda a sua cinematografia, e que o faz terminar Black-tie com uma passeata pública na qual ouvem-se os gritos de “a greve continua”, fato é que seu filme ficcional, na contramão do documentário ABC da greve, instala um olhar mais apreensivo sobre o país.

Leon Hirszman (Cuba, 1981)

Leon Hirszman (Cuba, 1981)

14Possivelmente influenciado pelas profundas divisões que a esquerda brasileira enfrentava no período, fissuras que ficaram mais evidentes a partir de 1980, Hirszman renunciou à crença na formação de uma frente ampla de atuação contra o governo. Em Black-tie, há um sentimento de desconfiança ante as ações do novo sindicalismo e a militância operária encontra-se cindida em duas posições antagônicas: a dos comunistas, assumida pelos personagens Otávio e Bráulio, que defende uma práxis tradicional, aquela na qual o proletário precisaria estar organizado como classe antes do início de uma greve; e a do grupo mais radical do novo sindicalismo, representada caricaturalmente pelo personagem Sartini, para o qual é preciso romper com as teorizações marxistas e aproveitar o sentimento de revolta dos trabalhadores como pulsão militante e espontânea em oposição à classe patronal.

  • 3 Conforme citado em Lessa, Sérgio. “Em debate, Black-tie”. Jornal Movimento, São Paulo, número 333, (...)

15No filme, a defesa de Hirszman recai claramente sobre a primeira opção: no decorrer da trama, embora Otávio tente alertar os trabalhadores sobre o risco de assumir uma greve sem organização, sem a presença do sindicato, os radicais ao lado de Sartini conseguem impor uma paralisação à força após a fábrica demitir alguns de seus funcionários. O resultado desse processo, visto pelo cineasta como apressado e irresponsável, é não apenas a derrota da greve, mas inclusive o assassinato de Bráulio por um policial à paisana. Em Black-tie, como resquício de um idealismo marxista tradicional, a culpa pelos possíveis equívocos da esquerda incide sobre os que ignoraram os avisos dados pelo personagem que contém a voz da experiência, justamente aquele identificado com a visão da militância comunista. No filme, Hirszman tomava posição diante das divisões enfrentadas pela esquerda brasileira. Não à toa, em um debate realizado no dia 9 de novembro de 1981, as lideranças do novo sindicalismo evidenciaram a sua rejeição ao longa-metragem. Na ocasião, Lula não perderia a chance de declarar que “o filme apresenta um papel negativo da greve. Ficar na afirmação de que tem que se organizar antes de fazer a greve é esquecer que a própria greve pode ser um momento importante para a organização dos trabalhadores [...]. Em momento algum, [Black-tie] coloca o processo de amadurecimento político da massa operária durante a [própria] greve3.” 

16Black-tie é um filme de linguagem sedutora, projeto maduro de Hirszman no qual a mise-en-scène, de construção rigorosamente clássica, procura estabelecer um processo de identificação emocional e ideológica entre o espectador e o jogo dramático. Mesmo que o cineasta assuma uma posição mais próxima das teses do PCB, partido que acabaria perdendo representatividade no decorrer dos anos 1980, seria um equívoco não salientar que Black-tie transmite um mal-estar diante das contradições do período ditatorial: há um olhar incômodo que costura a obra inteira e acaba inclusive por impedir uma abordagem redentora da própria militância tradicional. Vencedor do prêmio especial do júri no Festival de Veneza de 1981, esse filme talvez seja, no cinema brasileiro, um último respiro do realismo crítico praticado por artistas próximos ao PCB e que marque a expectativa tardia de reinserir no drama uma perspectiva comunista de mundo. n

Haut de page

Bibliographie

Bibliografia de referência

ALVES, Vânia M. B. Vanguarda operária: elite de classe? Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1984.

ANTUNES, Ricardo. A rebeldia do trabalho (o confronto operário no ABC Paulista: as greves de 1978/80). Campinas: Ensaio/Editora da Unicamp, 1988.

BAROT, Emmanuel. Camera politica: dialectique du réalisme dans le cinéma politique et militant. Paris: Librairie Philosophique J. Vrin, 2009.

BERNARDET, Jean-Claude. Cinema: repercussões em caixa de eco ideológica. São Paulo: Brasiliense, 1984.

CALIL, Carlos Augusto (org). É bom falar. Rio de Janeiro: Centro Cultural Banco do Brasil, 1995.

FREDERICO, Celso. A vanguarda operária. São Paulo: Símbolo, 1979.

FREDERICO, Celso (org.). A esquerda e o movimento operário - Vol. III. A reconstrução (1978-1984). Belo Horizonte: Oficina de livros, 1991.

GAUTHIER, Guy (org.). Le cinéma militant reprend le travail. CinémAction, nº110. Corlet/Télérama, 2004.

HIRSZMAN, Leon. “O espião de Deus”. In. BRASILEIRA, Cinemateca (org.). Leon Hirszman: ABC da greve, documentário inédito. Catálogo de mostra. Cinemateca Brasileira: São Paulo, 1991, p. 5-16.

LACHAUD, Jean-Marc. Questions sur le réalisme: B. Brecht et Georg Lukács. Paris: Economica, 1898.

LESSA, Sérgio. “Em debate, Black-tie”. Journal Movimento, São Paulo, numéro 333, 16 à 22 nov. 1981.

ORTIZ, Ramos. A moderna tradição brasileira: cultura brasileira e indústria cultural. São Paulo: Editora Brasiliense, 2001.

PÉCAULT, Daniel. Os intelectuais e a política no Brasil. São Paulo: Ática, 1990.

RIDENTI, Marcelo. Em busca do povo brasileiro: artista da revolução, do CPC e da era da TV. São Paulo: Record, 2000.

SADER, Éder. Quando novos personagens entraram em cena. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1988.

SALEM, Helena. Leon Hirszman: o navegador de estrelas. Rio de Janeiro: Rocco, 1997.

SCHWARZ, Roberto. “Cultura e Política, 1964-1969.” In. O Pai de família e outros estudos. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1992.

SILVA, Maria Carolina Granato da. O cinema na greve a greve no cinema: memórias dos metalúrgicos do ABC (1979-1991). UFF/Niterói: doutorado, 2008.VIANY, Alex. “Leon Hirszman”. In. O processo do Cinema Novo. Rio de Janeiro: Aeroplano, 1999, p. 283-314.

Haut de page

Notes

1 Tratam-se do Partido Comunista do Brasil (PC do B), que em 1962 nasceu de uma cisão com o Partido Comunista Brasileiro, e do Movimento Revolucionário Oito de Outubro (MR-8), que surgiu em 1964 e participou da luta armada contra a ditadura militar.

2 O Teatro de Arena foi fundado em 1953 e se tornou um dos marcos brasileiros do teatro de engajamento político e social. Desse grupo participaram dramaturgos como Gianfrancesco Guarnieri, Vianinha e Augusto Boal. Suas atividades duraram até 1972.

3 Conforme citado em Lessa, Sérgio. “Em debate, Black-tie”. Jornal Movimento, São Paulo, número 333, 16 a 22 nov. 1981.

Haut de page

Table des illustrations

Titre ABC da greve (1979)
URL http://cinelatino.revues.org/docannexe/image/203/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 232k
Titre Remise du Lion d’or à Venise en 1981 à Leon Hirszman par Liv Ullmann, présidente du jury, pour son film Eles não usam black-tie.
URL http://cinelatino.revues.org/docannexe/image/203/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 148k
Titre Eles não usam black-tie (1981)
URL http://cinelatino.revues.org/docannexe/image/203/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 80k
Titre A Falecida (1965)
URL http://cinelatino.revues.org/docannexe/image/203/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 732k
Titre Eles não usam black-tie (1981)
URL http://cinelatino.revues.org/docannexe/image/203/img-5.jpg
Fichier image/jpeg, 176k
URL http://cinelatino.revues.org/docannexe/image/203/img-6.jpg
Fichier image/jpeg, 100k
Titre Garôta de Ipanema, 1967
URL http://cinelatino.revues.org/docannexe/image/203/img-7.jpg
Fichier image/jpeg, 88k
URL http://cinelatino.revues.org/docannexe/image/203/img-8.jpg
Fichier image/jpeg, 96k
URL http://cinelatino.revues.org/docannexe/image/203/img-9.jpg
Fichier image/jpeg, 80k
Titre A Falecida (1965)
URL http://cinelatino.revues.org/docannexe/image/203/img-10.jpg
Fichier image/jpeg, 164k
Titre Leon Hirszman (Cuba, 1981)
URL http://cinelatino.revues.org/docannexe/image/203/img-11.jpg
Fichier image/jpeg, 283k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence papier

Reinaldo Cardenuto, « A escrita da História no cinema de Leon Hirszman. Um comunista diante das contradições do movimento operário (1979-1981) », Cinémas d’Amérique latine, 21 | 2013, 56-67.

Référence électronique

Reinaldo Cardenuto, « A escrita da História no cinema de Leon Hirszman. Um comunista diante das contradições do movimento operário (1979-1981) », Cinémas d’Amérique latine [En ligne], 21 | 2013, mis en ligne le 14 avril 2014, consulté le 22 octobre 2017. URL : http://cinelatino.revues.org/203 ; DOI : 10.4000/cinelatino.203

Haut de page

Auteur

Reinaldo Cardenuto

Reinaldo Cardenuto é professor de História do Cinema na Faculdade Armando Álvares Penteado (FAAP) e doutorando em Meios e Processos Audiovisuais na Escola de Comunicação da Universidade de São Paulo (USP). Seu doutorado é supervisionado pelo professor Eduardo Victorio Morettin.

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Cinémas d’Amérique latine est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d'Utilisation Commerciale - Pas de Modification 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Presses universitaires du Midi
  • Revues.org