Navigation – Plan du site
Notes de lecture

Sylvie Debs, Cinema e cordel - Jogo de Espelhos

Lume Filmes/ Interarte, Fortaleza Sao Luis, Brésil, 256 p.
Geraldo Sarno
p. 174-175
Référence(s) :

Sylvie Debs, Cinema e cordel - Jogo de Espelhos, Lume Filmes/ Interarte, Fortaleza Sao Luis, Brésil, 256 p.

Traduction(s) :
Sylvie Debs, Cinema e cordel - Jogo de Espelhos

Texte intégral

1Este livro de Sylvie Debs, estudiosa atenta do cinema nordestino, segue caminho singular nos estudos do cinema brasileiro. Em tempos de exaltação de valores e modelos de mercado, Sylvie, com seu livro, investiga outras trilhas: as relações do cinema com formas tradicionais de expressão artística do povo brasileiro.

2A poesia popular do Nordeste, escrita em folhetos de cordel ou improvisada nas cantorias, tem inspirado, ao longo de décadas, o nosso cinema. Não apenas por meio dos temas que divulga, mas, também, e sobretudo, das formas pelas quais essa poesia se expressa.

3O isolamento secular e as peculiaridades de sua formação socioeconômica e cultural em relação ao restante do País fizeram o Nordeste acolher e conservar formas artísticas remotas da tradição ibérica. A elas, foram-se juntando as trazidas com a modernização econômica e social do século XX que levou à constituição de um mercado nacional único. Acumularam-se de tal modo essas formas, que a cultura do sertão nordestino sempre me pareceu como depositada em camadas, simulando camadas geológicas, todas vivas e se inter-relacionando, por mais distantes que se encontrem umas das outras. Disso resultou um substrato de práticas e costumes, de essências, que perduram e persistem, embora se transformando e atualizando, que acabam por fazer parte do núcleo simbólico da nacionalidade”. A meu ver, a poesia oral, do improviso das cantorias ou fixada em versos escritos nos folhetos, ocupa o centro dessas formações culturais, permeando-as com temas, formas expressivas, maneiras de ver e sentir. O Bumba, Mestre Paizinho, o mamulengo, a cerâmica, Mestre Vitalino, a música, Mestre Noza e Walderêdo, a gravura, creio que estão todos penetrados por formas e expressões que, em última instância, têm sua matriz na poesia oral. Porque a fixada no folheto de cordel é também oral, na medida em que é escrita para ser lida, em voz alta, para um conjunto de ouvintes.

4A relação entre cinema e poesia popular não se fez apenas por meio da busca de temas tradicionais do cordel, como o cangaço ou a comédia pícara. A aproximação mais rica se fez pela linguagem. E é aqui que este livro de Sylvie Debs abre caminhos que cabe ao leitor palmilhar.

5Não que o cinema já não houvesse enveredado pela criação por meio do improviso.

6A captação do imprevisto, do inesperado, ou seja, o improviso, está incorporado à estética do cinema pelo menos desde os anos 1920, com Dziga Vertov. Ele institui o “cine-olho”, a “câmera-olho”, o “olho mecânico”, uma espécie de câmera cinematográfica onipresente, que se move com presteza e se posiciona em busca de ângulos inusitados, que se libera da velocidade padrão de 16-17 quadros por segundo da época do cinema mudo, e “rompe as amarras de tempo e espaço”. Com isto, libera a câmara para a captação de imagens imprevistas, e o cinema se instaura na poesia do improviso.

7Aplicada à montagem cinematográfica, a teoria dos intervalos, conceito este trazido da música, primeira das atividades artísticas de Dziga Vertov antes de dedicar-se ao cinema, cria um novo princípio: o da montagem por analogia. Escapa da montagem causal, linear, e libera também a montagem para um universo amplo de relações, que tendem à aceleração, à velocidade, à busca improvável da simultaneidade e, então, o invisível se tornaria visível: nós vemos, por assim dizer, o invisível, nós vemos os pensamentos na tela – afirma Vertov.

8Os cantadores rústicos do sertão são clássicos porque ecoam formas que a arte plasmou na tradição dos rapsodos gregos cantados por Homero, e dos trovadores. Essa arte que funde o arcaico ao além moderno, isto é, ao contemporâneo, e se exerce numa espécie de performance, num aqui e agora, busca o oculto, o não visível, o permanente. Porque Severino Pinto, Lourival Batista, o Cego Aderaldo, o Cego Oliveira, Patativa do Assaré são herdeiros de uma arte que se conformou à maneira de ser e de pensar o mundo do homem do sertão. Uma arte que se constituiu na expressão formal mais autêntica desse homem. São portadores de uma essência ancestral que não se esgota, embora se transforme.

9É o que estamos assistindo em nossos dias com a parceria do rap e da embolada. O livro de Sylvie segue essas pegadas, com o fino senso de conhecedora que é das coisas do sertão e do cinema. Talvez um dia o cinema filme como os cantadores cantam.

Haut de page

Table des illustrations

URL http://cinelatino.revues.org/docannexe/image/2009/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 18k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence papier

Geraldo Sarno, « Sylvie Debs, Cinema e cordel - Jogo de Espelhos », Cinémas d’Amérique latine, 23 | 2015, 174-175.

Référence électronique

Geraldo Sarno, « Sylvie Debs, Cinema e cordel - Jogo de Espelhos », Cinémas d’Amérique latine [En ligne], 23 | 2015, mis en ligne le 28 décembre 2016, consulté le 27 avril 2017. URL : http://cinelatino.revues.org/2009

Haut de page

Auteur

Geraldo Sarno

Réalisateur, chercheur et enseignant

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Cinémas d’Amérique latine est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d'Utilisation Commerciale - Pas de Modification 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Presses universitaires du Midi
  • Revues.org