Navigation – Plan du site

Juventudes de classe média no cinema brasileiro dos anos 2000

Projeto e campo de possibilidades em três filmes recentes
Mariana Souto
p. 154-163
Traduction(s) :
Les jeunesses de la classe moyenne dans le cinéma brésilien des années 2000

Résumés

Cet article analyse un ensemble de films qui traitent de la jeunesse des classes moyennes dans le cinéma brésilien des années 2000 : Cão sem donoProibido proibir e Se nada mais der certo. Son objectif est de voir comment les jeunes se projettent dans le futur, pris entre le présent et l’avenir, à une époque de faible stabilité, grandes accélérations et rares assurances.

Haut de page

Texte intégral

Se nada mais der certo (2008) de José Eduardo Belmonte

Se nada mais der certo (2008) de José Eduardo Belmonte

1O cinema brasileiro, de sua gênese até os dias atuais, tem forte tradição na representação de grupos marginalizados e excluídos, tais como moradores de favela ou periferia, sertanejos, retirantes, presidiários e miseráveis. Filmes como Rio Zona Norte (1957), Vidas Secas (1963), Deus e o Diabo na Terra do Sol (1964), Macunaíma (1969), Pixote (1981), Central do Brasil (1998) e Cidade de Deus (2002) são expressivos dessa afirmação em diversas décadas e movimentos cinematográficos. Contudo, vemos conviver com essas representações o tratamento de um outro grupo social – a classe média – que, em menor ou maior medida, também esteve presente ao longo dessa história.

2A motivação desse artigo surge da percepção inicial de que a classe média vem se destacando em representatividade no universo da produção audiovisual brasileira nos anos 2000, além do fato instigante de que dela são provenientes tanto a maioria dos cineastas quanto a maior parte do público (provavelmente por razões de acesso a meios de produção e preço do ingresso). No entanto, poucas vezes essa classe é objeto de reflexão aprofundada em discussões teóricas ou críticas.

3Vários dos filmes recentes que colocam a classe média em questão enfocam a juventude, momento que parece concentrar alguns traços característicos dessa classe, colocando-os em crise, já que certas dificuldades da classe média despontam com maior intensidade nas novas gerações, como a problemática inserção no mercado de trabalho e a vulnerabilidade dos relacionamentos pessoais.

4Esta pesquisa investiga aspectos culturais das juventudes de classe média em um conjunto de três desses filmes. A partir da análise de Cão sem dono (Beto Brant, 2007), Proibido proibir (Jorge Durán, 2007) e Se nada mais der certo (José Eduardo Belmonte, 2008), examina-se como o cinema elabora, através de seu material expressivo, a maneira como o jovem brasileiro se relaciona com seu imaginário, seus desejos, sua sociedade e seu tempo. Estudamos o jovem em relação – no amor, no trabalho, na família, no social. Desejamos investigar como ele erige planos de futuro, dividindo-se entre o agora e o porvir, em um tempo e espaço históricos de pouca estabilidade, muita aceleração e escassas garantias.

Prolongamento da juventude

5A maioria dos estudos considerava como jovem a população entre 15 e 24 anos de idade, o que equivale a cerca de 33 milhões de pessoas ou 21% da população brasileira, segundo o Censo 2000. Essa faixa etária contém uma divisão, sendo a parte que vai até a maioridade denominada adolescência, e a posterior, juventude propriamente dita. No entanto, tem se observado a dilatação desses limites. No âmbito das políticas públicas, ancoradas na definição da Secretaria Nacional de Juventude (SNJ) e do Conselho Nacional de Juventude (Conjuve), o recorte etário foi alargado para 15 a 29 anos (Aquino, 2009). Marília Spósito aponta essa característica nos países europeus mas defende que, no Brasil, a situação é contrária, “a tendência é a de antecipação do início da vida juvenil para antes de 15 anos […] para grande parcela dos setores empobrecidos” (Spósito, 1999, p. 6 apud Morgado, 2006, p. 141). Se de um lado, temos a adolescência abreviada dos que, por necessidade, começam a trabalhar muito cedo, de outro vemos que os mais favorecidos têm uma adolescência prolongada. Assim, o prolongamento da juventude nos parece, no Brasil, um fenômeno mais marcadamente das camadas média e alta.

Cão sem dono (2007) de Beto Brant

Cão sem dono (2007) de Beto Brant

6A extensão da escolarização somada à impenetrabilidade do mercado de trabalho leva a uma autonomia financeira mais tardia que, por sua vez, mantém a dependência familiar por mais tempo. “Quanto mais escolarizados e qualificados profissionalmente, mais longo é o período em que constituem um fardo para a família” (Hobsbawm, Polito, 2000, p. 184-185). O jovem, muitas vezes incapaz de arcar com seu sustento, vive sob o teto dos pais, na condição de estudante, até uma idade mais avançada do que as gerações anteriores.

7Começam a surgir termos para denominar essa geração, alguns deles jocosos. Na Inglaterra, o kidult é mistura de kid (criança, em inglês) com adult (adulto). Na Espanha, fala-se da geração Ni-Ni: ni estudia ni trabaja (nem estuda e nem trabalha). No Brasil, o termo ‘adultescente’, proveniente do inglês, tem aparecido com certa frequência. No entanto, ao problematizarmos essa condição de moratória dilatada, limbo que precede a aderência completa à idade adulta, percebe-se que ela não se dá sem conflito, sofrimento e embate de gerações.

8Portanto, a maleabilidade e a percepção do tempo ocorre de formas distintas entre as classes, já que os jovens de classe média podem, por exemplo, dedicar-se exclusivamente à formação educacional ao longo da adolescência, e inclusive estendê-la para até por volta dos 30 anos de idade, enquanto os menos favorecidos precisam ingressar mais cedo no mercado de trabalho.

9Interessa-nos observar, entre outros elementos, esta dimensão da vivência temporal nos filmes que tratam da juventude de classe média brasileira. Em nossa análise, lançaremos mão de dois conceitos – projeto e campo de possibilidades –, movimento pertinente tendo em vista a eleição da relação com o tempo como ponto de destaque.

10Projeto é um conceito explorado por Gilberto Velho, autor da área da antropologia urbana, em obras como Projeto e metamorfose (1994) e Individualismo e cultura (2004), inspirado, sobretudo, pelos trabalhos de A. Schutz (1971), autor que define projeto como a conduta organizada para atingir objetivos específicos, isto é, a ação com finalidade pré-determinada. O projeto pode ser pensado, então, como uma formulação presente que se estende para o futuro, uma antecipação do tempo; é uma opção por certos destinos, o que implica retroativamente a escolha de determinados caminhos no agora.

11A trajetória de um indivíduo pode ser entendida em termos da expressão de um projeto. Não há como pensá-lo sem um conceito que lhe é complementar, qual seja, o campo de possibilidades, definido como a dimensão sociocultural, espaço de elaboração e implementação de projetos que existe em toda sociedade, cultura e situação social. O projeto, portanto, não pode existir sem referência ao outro e ao social. Ele ocorre tendo em vista um repertório cultural relativamente limitado por determinado contexto. A viabilidade e o sucesso de suas realizações depende da interação com outros projetos e da dinâmica do campo de possibilidades (Velho, 2004). Projeto e campo têm relação indissociável.

12Todo esse processo de elaboração de projeto acontece, hoje, em relação a um campo de possibilidades sombrio e argiloso, típico da contemporaneidade, modernidade líquida (Bauman, 2001). É um círculo vicioso: se o presente instável dificulta o pensamento prospectivo para o futuro, um futuro pobre em perspectivas também torna o presente desestimulante.

13Procederemos a um recorte de filmes do período da pós-retomada, ou seja, após o marco de Cidade de Deus (Fernando Meirelles) no ano de 2002. Um levantamento de alguns desses filmes ficcionais do período compreendido até 2010 nos levou ao recorte mais específico dos três analisados. O mapeamento realizado, que não se pretende completo, pode ser visto a seguir:

  1. 3 Efes (Carlos Gerbase, 2007)

  2. Ainda orangotangos (Gustavo Spolidoro, 2007)

  3. Alegria, A (Felipe Bragança e Marina Meliande, 2010)

  4. Apenas o fim (Matheus Araújo, 2008)

  5. Amigos de risco (Daniel Bandeira, 2007)

  6. Árido Movie (Lírio Ferreira, 2004)

  7. Antes que o mundo acabe (Ana Luiza Azevedo, 2009)

  8. Cama de gato (Alexandre Stockler, 2002)

  9. Cão sem dono (Beto Brant, 2007)

  10. Concepção, A (José Eduardo Belmonte, 2005)

  11. À Deriva (Heitor Dhalia, 2009)

  12. Diabo a quatro, O (Alice Andrade, 2004)

  13. Do começo ao fim (Aluisio Abranches, 2009)

  14. Dona da história, A (Daniel Filho, 2004)

  15. Estrada para Ythaca (Pedro Diógenes, Guto Parente, Luiz e Ricardo Pretti, 2010)

  16. Famosos e os duendes da morte, Os (Esmir Filho, 2009)

  17. Fuga da mulher gorila, A (Felipe Bragança, Marina Meliande, 2009)

  18. Histórias de amor duram apenas 90 minutos (Paulo Halm, 2009)

  19. Homem que copiava, O (Jorge Furtado, 2002)

  20. Houve uma vez dois verões (Jorge Furtado, 2002)

  21. Melhores coisas do mundo, As (Laís Bodansky, 2010)

  22. Meu mundo em perigo (José Belmonte, 2007)

  23. Meu nome não é Johnny (Mauro Lima, 2008)

  24. Meu tio matou um cara (Jorge Furtado, 2004)

  25. Muita calma nessa hora (Felipe Joffily, 2010)

  26. Muito gelo e dois dedos d’água (Daniel Filho, 2006)

  27. Nina (Heitor Dhalia, 2004)

  28. No meu lugar (Eduardo Valente, 2009)

  29. Nome Próprio (Murilo Salles, 2007)

  30. Ódiquê (Felipe Joffily, 2004)

  31. Passageiro, O – Segredos de adulto (Flávio Tambellini, 2006)

  32. Pode crer! (Arthur Fontes, 2007)

  33. Proibido Proibir (Jorge Durán, 2007)

  34. Quanto dura o amor? (Roberto Moreira, 2009)

  35. Se nada mais der certo (José Eduardo Belmonte, 2008)

  36. Seja o que Deus quiser (Murilo Salles, 2002)

Cão sem dono, Proibido proibir e Se nada mais der certo

14Elegemos os filmes Cão sem dono (Beto Brant, 2007), Proibido proibir (Jorge Durán, 2007) e Se nada mais der certo (José Eduardo Belmonte, 2008), obras que nos pareceram especialmente instigantes para um olhar mais atento a partir dos interesses postos. Teceremos comentários transversais entre os filmes para uma análise mais rica e que não se detenha muito em observações individuais.

15Cão sem dono aborda o vazio existencial de Ciro, um introvertido jovem formado em literatura, porém desempregado, que se envolve com Marcela, uma aspirante a modelo. Ciro mora em Porto Alegre com seu cão vira-lata. Suas relações são escassas. Marcela se afasta para a realização de um tratamento, o que provoca uma forte crise em Ciro. Seus pais o resgatam e o trazem para morar com a família. Ciro se restabelece, começa a trabalhar, mas seu cachorro morre.

Cão sem dono (2007) de Beto Brant

Cão sem dono (2007) de Beto Brant

16Em Proibido Proibir, León, Paulo e Letícia formam um triângulo amoroso. Paulo atende no hospital da universidade e se compadece de Rosalina, paciente que sente falta dos filhos. Ele vai até a favela e descobre que o mais velho, Cinézio, foi morto injustamente por policiais enquanto o outro, Cacauzinho, está jurado de morte, testemunha do assassinato do irmão. Num plano de resgate mal-sucedido, a polícia mata Cacauzinho e Mário, enquanto León fica ferido. Perseguidos pela polícia, os três fogem.

Proibido proibir (2007) de Jorge Durán

Proibido proibir (2007) de Jorge Durán

17Em Se nada mais der certo, Léo é um jornalista de quase 30 anos que vive de freelancers, com situação financeira crítica. Vive em São Paulo, abrigando uma amiga deprimida. Leo, Marcin e Wilson participam do roubo de uma quantia milionária que seria doada para uma campanha política. Wilson é baleado enquanto Marcin e Leo fogem para a praia.

18De início, é preciso dizer que os filmes trazem juventudes plurais, cada um à sua maneira. Por mais que isso seja evidente, é importante destacar que nossa análise aponta e contribui para um entendimento dilatado tanto do conceito de classe média quanto do de juventude. Temos um leque de jovens de classe média individualistas e autocentrados, outros gregários, outros ainda preocupados com outras classes. Em todos eles, as relações, sobretudo amorosas, são intensas, mas fortuitas, interrompidas. Neles está também demarcada uma diferença, até mesmo de poder, entre os protagonistas e os personagens oriundos de outros meios. Nas relações assimétricas entre classes, é relevante que, em Se nada mais der certo e Proibido proibir, os pobres morram. Wilson, Rosalina, Cinézio e Cacauzinho têm um fim trágico, revelando a impotência dos jovens de classe média que, por mais que tentassem, nada puderam fazer para salvá-los.

19Da classe média é poupada a vida, mas isso não significa que termine bem. Carregam a frustração, a culpa e o desencanto por um mundo injusto. O corpus (sobretudo Proibido proibir) coloca em xeque a ideia do senso comum de que a má consciência não é uma característica da classe média. Seria a juventude o momento privilegiado em que a classe média olha mais para além de si e pensa de maneira mais coletiva? Talvez, por ainda não estar totalmente enredada no status quo, a juventude traga um olhar inquieto, curioso, inconformado, que entra em conflito com as características mais tradicionais da classe média de resignação e pacatez. Poderíamos dizer, assim, que a juventude seria o momento em que a classe média se mostra mais insurgente e pulsante, contrariando suas tendências mais frequentes.

20Os três filmes são passados em cidades grandes, capitais: a vida na metrópole é um elemento importante nesse conjunto. Ciro, Paulo, León, Leo e Ângela têm em comum o fato de morarem mal, em apartamentos pequenos, simples, de pouca mobília. Tais ambientações nos fazem pensar que a juventude, nessa fase de saída recente da casa dos pais, acaba por declinar socialmente, inserindo-se num estilo de vida bem próximo daquele das classes baixas.

21Também o presente desses jovens é, de maneira geral, dilatado. Diferentes escolhas de montagem acentuam esse fenômeno na construção da forma dos filmes. Em Cão sem dono, o tempo se arrasta, os planos são longos, preenchidos por tempos mortos e pouca ação. Já em Proibido proibir, a câmera lenta faz durar os momentos de maior destaque e drama. E em Se nada mais der certo, a montagem paralela sublinha a simultaneidade das ações, sobrepostas no tempo urgente de múltiplos acontecimentos. Recursos tão distintos como a delonga e a aceleração convergem no mesmo efeito de presentificação do tempo, transmitindo a sensação de que os personagens vivem um eterno presente, seja porque o futuro demora demais a chegar ou porque o presente avança tão rápido que engole o futuro transformando-o em presente sem que se perceba.

22As diferentes percepções do tempo dialogam até mesmo com a escolha das drogas que os personagens usam e seus típicos efeitos psicotrópicos. Ciro ingere álcool e fuma maconha; Paulo é também adepto dessa última; Marcin e Sybelle cheiram cocaína. Ressaltamos que as drogas, ilícitas ou não, estão presentes em todos os filmes, ainda que não sejam utilizadas por todos os personagens – alguns rejeitam e criticam o uso das substâncias.

23A respeito das relações entre os personagens, vemos que os jovens de classe média, ainda que perdidos e sem dinheiro, são responsáveis por outrem, seja um cão, uma amiga deprimida, pacientes terminais ou jovens com menos recursos. Estão fazendo a transição, ainda incompleta, de ser cuidado para ser cuidador. Não podemos deixar de assinalar, nesses filmes, uma ausência quase total das famílias que, no entanto, é revista quando os protagonistas se encontram em apuros. A família como referência é marcante especialmente em Cão sem dono, tendo um papel estruturador na vida do jovem Ciro, apesar de seu desconforto perto dos pais.

24A classe média flutua entre dois pólos, meio termo entre a riqueza e a pobreza, o que nos incita à analogia com a juventude, também ponto intermediário entre infância e vida adulta. Juventudes de classe média seriam, portanto, o cúmulo da interposição e do sem lugar. Talvez esse seja um fator que, por si só, ajude a compreender a falta de ancoragem desses jovens, condição que, no entanto, vê-se potencializada na contemporaneidade.

25Os filmes, de fato, corroboram o que intuíamos a respeito da frouxidão dos projetos juvenis: o campo de possibilidades atual é mesmo mutilador, não só agindo sobre o projeto de forma a tolhê-lo, mas atuando na própria fragilidade de sua constituição. A maioria dos personagens padece de uma inabilidade em prever desdobramentos para suas ações. Seus atos inconsequentes os colocam em enrascadas, como é o caso do resgate de Cacauzinho em Proibido proibir.

Se nada mais der certo (2008) de José Eduardo Belmonte

Se nada mais der certo (2008) de José Eduardo Belmonte

26A singularidade dos personagens concorre com sua origem de classe na formação dos projetos, mas outras variáveis também surgem, como o gênero. Os três filmes têm homens como protagonistas, mas as mulheres são personagens fortes, algumas vezes com decisões e sonhos mais definidos do que os dos rapazes. Ainda assim, o que levamos da análise de Cão sem dono, Proibido proibir e Se nada mais der certo é mesmo a característica irresoluta do projeto. Em alguns momentos, geraram dúvida se a ênfase no presente e aqueles planos pouco elaborados poderiam receber essa denominação, colocando a própria noção de projeto em crise. Não haveria mais projeto ou ele agora, e nesse grupo, seria dotado de propriedades diferentes de momentos históricos anteriores?

27Não acreditamos que o projeto tenha sido erradicado, mas talvez esteja em crise, debilitado, como se tivesse perdido parte da organização, do alcance, do vigor. Os personagens que analisamos fazem parte da geração que já nasceu na metrópole, com o processo de urbanização avançado, uma superpopulação, a decadência das instituições como referência para os indivíduos, o esmagamento dos vínculos humanos.

Proibido proibir (2007) de Jorge Durán

Proibido proibir (2007) de Jorge Durán
  • 1 Os filmes analisados foram lançados por volta de 2007, possivelmente roteirizados por volta de 2004 (...)

28É notório o fato de que a indefinição dos projetos está diretamente relacionada a um estado psicológico de profundo incômodo e mal-estar1. Tais sentimentos variam entre o latente e o manifesto, mas estão presentes em praticamente todos os personagens analisados.

29Os três filmes possuem finais abertos, como se até o cinema enfrentasse a dificuldade de desenhar projetos para essa juventude, ele mesmo embebido da falta de perspectiva dos personagens. Já a passagem para a vida adulta, que todos os filmes, de alguma maneira, mimetizam, é vivida na forma de uma crise. Os desfechos são abertos, mas coincidem com reviravoltas na trama, momentos de potencial mudança de rumos.

30Observamos, sobretudo em Proibido proibir e Se nada mais der certo, o posicionamento de personagens como porta-vozes de determinadas ideias e visões de mundo. Falam, em alguns momentos, através de frases feitas, reflexões condensadas sobre a realidade social, provocando uma impressão de artificialidade. Com isso, perdem um pouco a força de personagens para se assemelhar a marionetes ou ventríloquos narrativos. Será que justamente um projeto muito rígido dos diretores limitou o espaço para aqueles personagens existirem com seus projetos quebradiços?

31De certo modo, a figuração desses personagens está, também, em crise. Já Cão sem dono parece ter sido mais pautado pelo respeito ao personagem, deixando suas manifestações se inscreverem e penetrarem na forma do filme. Percebemos, aqui, uma maior flexibilidade para a interação, um fluir mais sereno que pode ter propiciado o aflorar de um personagem que, apesar de mais opaco, é também mais personagem.

32E com essas considerações finalizamos esse percurso, lembrando que Cão sem dono, Proibido proibir e Se nada mais der certo são, à sua maneira, também jovens contemporâneos, passos recentes de um panorama em formação, tanto no que diz respeito ao trajeto de seus diretores, nomes que vêm se consolidando nesse cenário, quanto no tocante ao próprio cinema brasileiro do pós-retomada.

Haut de page

Bibliographie

Aquino, Luseni, “Introdução” in Aquino Luseni e Andrade Carla Coelho de, Juventude e políticas sociais no Brasil, Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada, Brasília, 2009.

Bauman, Zygmunt, Modernidade líquida, J. Zahar, Rio de Janeiro, 2001.

Hobsbawm E. J. e Polito Antonio, O novo seculo: entrevista a Antonio Polito, Companhia das Letras, São Paulo, 2000.

Sposito, Marilia Pontes, O estado da arte sobre juventude na pós-graduação brasileira: educação, ciências sociais e serviço social (1999-2006), Argvmentvm, Belo Horizonte, 2009.

Velho, Giberto, Individualismo e cultura: notas para uma antropologia da sociedade contemporânea, Jorge Zahar, Rio de Janeiro, 2004.

Velho, Gilberto, Projeto e metamorfose: antropologia das sociedades complexas, Jorge Zahar, Rio de Janeiro, 1994.

Haut de page

Notes

1 Os filmes analisados foram lançados por volta de 2007, possivelmente roteirizados por volta de 2004 ou 2005. Ressaltamos que esse panorama já se encontra modificado nos tempos atuais. Os governos Lula e Dilma Roussef melhoraram a situação do Brasil, trazendo crescimento econômico e emprego, constituindo hoje um cenário mais otimista.

Haut de page

Table des illustrations

Titre Se nada mais der certo (2008) de José Eduardo Belmonte
URL http://cinelatino.revues.org/docannexe/image/1975/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 104k
Titre Cão sem dono (2007) de Beto Brant
URL http://cinelatino.revues.org/docannexe/image/1975/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 56k
Titre Cão sem dono (2007) de Beto Brant
URL http://cinelatino.revues.org/docannexe/image/1975/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 20k
Titre Proibido proibir (2007) de Jorge Durán
URL http://cinelatino.revues.org/docannexe/image/1975/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 24k
Titre Se nada mais der certo (2008) de José Eduardo Belmonte
URL http://cinelatino.revues.org/docannexe/image/1975/img-5.jpg
Fichier image/jpeg, 56k
Titre Proibido proibir (2007) de Jorge Durán
URL http://cinelatino.revues.org/docannexe/image/1975/img-6.jpg
Fichier image/jpeg, 64k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence papier

Mariana Souto, « Juventudes de classe média no cinema brasileiro dos anos 2000 », Cinémas d’Amérique latine, 23 | 2015, 154-163.

Référence électronique

Mariana Souto, « Juventudes de classe média no cinema brasileiro dos anos 2000 », Cinémas d’Amérique latine [En ligne], 23 | 2015, mis en ligne le 28 décembre 2016, consulté le 28 mai 2017. URL : http://cinelatino.revues.org/1975 ; DOI : 10.4000/cinelatino.1975

Haut de page

Auteur

Mariana Souto

Doutoranda em comunicação social pela UFMG e mestre pela mesma universidade, onde pesquisa cinema brasileiro. Atualmente faz estágio doutoral na Universitat Pompeu Fabra, em Barcelona. Professora de audiovisual – leciona Narrativas audiovisuais e documentário. Ministra oficinas de realização. Integrante do Grupo de Pesquisa Poéticas da Experiência. Co-programadora do Cineclube Comum. Diretora de arte e figurinista.

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Cinémas d’Amérique latine est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d'Utilisation Commerciale - Pas de Modification 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Presses universitaires du Midi
  • Revues.org