Navigation – Plan du site

Horror juvenil brasileiro. O caso do slasher movie Shock!

Laura Loguercio Cánepa
p. 144-153
Traduction(s) :
Film d’horreur juvénile brésilien. Le cas du slasher movie Shock !

Résumés

L’article propose une brève analyse du long-métrage brésilien Shock! Diversão Diabólica (Jair Correia, 1984), mettant en lumière sa relation avec la teenexploitation, le slasher movie et le cinéma de jeunesse brésilien.

Haut de page

Notes de la rédaction

Uma versão diferente e mais antiga deste texto foi publicada em português em Canepa, L. “Slasher movie made in Brazil”, Revista Contracampo, n° 21, Niterói, aug 2010, p. 130-144.

Texte intégral

1Paralelamente às grandes produtoras que surgiram em vários países no começo do século XX, existiu um mercado marginal que engendrou uma vasta linhagem de filmes baratos cujo apelo residia na abordagem de temas-tabu e de imagens rejeitadas pelo circuito de cinema convencional. Esse mercado paralelo, que a partir da década de 1970 estaria à frente da indústria pornográfica, ficou conhecido como exploitation (com subdenominações como sexploitation, teenexploitation, blaxploitation, etc), por explorar, muitas vezes com recursos publicitários desonestos, assuntos escandalosos capazes de compensar a falta de atores famosos ou de outros atributos.

2Apesar de pouco observada pelos estudiosos até anos recentes, uma das mais numerosas vertentes do cinema popular brasileiro esteve ligada à exploração. Essa indústria teve seu apogeu na década de 1970, tendo como face característica o cinema erótico da Boca do Lixo, em São Paulo, e do Beco da Fome, no Rio de Janeiro – regiões que concentraram produtoras bem-sucedidas, responsáveis por centenas de filmes distribuídos em todo o país até meados da década de 1980. Essas produtoras usavam estratégias do sexploitation, como os títulos de conteúdo sexual, o baixo orçamento, o consumo popular majoritariamente masculino e a distribuição em cinemas de segunda linha, em sistema de coprodução com exibidores.

3Mas outros filões também foram desenvolvidos no país, ainda que em escala menor, e entre eles está o teenexploitation, tipo de filme barato feito para o público jovem. Nessa tendência se encontra o longa-metragem paulista Shock! – Diversão Macabra (Jair Correia, 1984), que traz a figura de um assassino serial no encalço de adolescentes – estrutura típica do slasher movie, subgênero popular do horror desde os anos 1970. Neste artigo, pretendo fazer uma breve análise do filme, considerando sua relação com o cinema de exploração e com a cultura juvenil brasileira dos anos 1980.

Teenexploitation e slasher movie

4Desde os anos 1940, nos EUA, filmes com temática adolescente começaram a se popularizar. Um dos primeiros temas explorados foi o da delinquência, em filmes-denúncia como Youth Runs Wild (Mark Robson, 1944), produzido na RKO. No mesmo período, Sam Katzman, do Monogram, lançou uma série de filmes de baixo orçamento voltados aos adolescentes como Junior Prom (1946) e High School Hero (1946). Como descreve Bueno (2006, p. 177), essa tendência evoluiria nos anos 1950, quando os jovens passaram a formar um grupo social numeroso no meio urbano em decorrência da revolução cultural iniciada no pós-guerra, sentida como consequência da transformação social derivada do avanço do capitalismo. Tal processo definiu os contornos de uma cultura juvenil que avançou num sentido de integração e diferenciação, fazendo com que a sensibilidade adolescente se infiltrasse na produção cultural massificada.

Youth Runs Wild (1944) de Mark Robson

Youth Runs Wild (1944) de Mark Robson

Junior Prom (1946) de Sam Katzman

Junior Prom (1946) de Sam Katzman

5Também nessa década, com a chegada da TV e as mudanças no mercado exibidor dos EUA, os filmes juvenis foram tomados por realizadores B como uma oportunidade de negócio, já que os adolescentes mantinham as salas de cinema como espaço de sociabilidade. Se até aquele momento as produções de segunda linha tinham a função de manter as salas e a indústria ativas no intervalo entre superproduções, era agora necessário radicalizar seus princípios, já que a TV se apropriara de seus principais requisitos: a serialização e o baixo orçamento. Então, segundo Doherty (2002), os Bs passaram a explorar as brechas do cinema de primeiro escalão, associando-se definitivamente ao exploitation, com esquemas publicitários voltados ao segmento juvenil. Ao mesmo tempo, os filmes causavam impacto ao combinar formas e conteúdos já experimentados pela indústria, transitando entre formatos que iam dos musicais ao horror.

Shock ! (1970) de Jair Correia

Shock ! (1970) de Jair Correia

6Na sequência desse fenômeno surgiria, nos anos 1960, um novo mercado de exibição, que ocupava os drive-ins e as grind houses. Foi nessa época que começaram a surgir nomes como Hershel Gordon Lewis e Joe Sarno, realizadores de filmes baratos, estrelados por adolescentes e a eles endereçados, nos quais assa-ssinatos espetaculares vinham reunidos ao erotismo e a denúncias pouco nobres sobre a liberalização dos costumes. Nesse contexto, uma figura ficcional inspirada em crimes da vida real ganhava popularidade cinematográfica: o assassino em série. Esse personagem, que já povoava as histórias de horror desde o século XIX, foi alçado a figura central no gênero depois do impacto de Psicose (Psycho, A. Hitchcock, 1960).

7E foi na interseção dessas tendências que se compôs, nos anos 1970, o slasher movie – subgênero juvenil do horror que traz a figura do assassino serial de adolescentes. Esse subgênero se eternizaria em clássicos do horror de exploração como O massacre da serra elétrica (Massacre à la tronçonneuse, T. Hopper, 1972) e, pouco depois, com o megassucesso independente Halloween (J. Carpenter, 1978), tornando-se muito popular nas décadas de 1980 e 1990.

Filmes juvenis e assassinos seriais no Brasil

8O fenômeno dos filmes adolescentes se fez notar cedo no cinema brasileiro. Curiosamente, aquele que talvez seja o primeiro exemplar nacional de um filme juvenil, a produção independente Noivas do mal (George Dusek, 1952), seria também a primeira a trazer um assassino serial. Narrada em tom melodramático, trazia as agruras de duas jovens de classe baixa que trabalham numa loja de departamentos e lidam com o assédio de seus namorados e com um assassino que estrangula suas colegas com meias de nylon. Esse drama urbano estava mais preocupado em discutir a posição da mulher no mercado de trabalho num país que dava início à liberalização dos costumes, mas sua relação com os filmes juvenis e com o thriller é inegável. O filme não encontraria seguidores, mas o cinema brasileiro não ficou indiferente aos temas adolescentes. Na chanchada Alegria de viver (Watson Macedo, 1958), como mostra Bueno (2006, p. 179), a típica comédia musical nacional de troca de identidades se rendia à cultura do rock’n’roll num romance adolescente.

9Essas produções seriam superadas, logo mais, pelos próprios jovens, que dariam suas versões da experiência da juventude em filmes influenciados pela nouvelle vague como Os cafajestes (La plage du désir, Ruy Guerra, 1962), e Todas as mulheres do mundo (Domingos de Oliveira, 1968). Nesse mesmo período, o cinema brasileiro conheceria seu mais famoso assassino serial: o psicopata Zé do Caixão, dirigido e interpretado pelo jovem paulista de 27 anos José Mojica Marins, em À meia noite levarei sua alma (À minuit, je possèderai ton âme, 1964). Mojica se transformaria em astro do horror no país, e logo estaria ligado às produções da Boca do Lixo.

10Então, vinte anos depois de Dusek, outro filme independente, O guru de sete cidades (Carlos Bini, 1972), colocaria os adolescentes no caminho – e, no caso, a serviço – de um assassino serial. Baseado na história real de Charles Manson, que comandara um massacre em Los Angeles em 1969, o filme de Bini trazia um grupo de jovens liderados por um Guru-Hippie. Na cidade vizinha, a jovem esposa de um milionário (Rejane Medeiros) acaba se envolvendo com um motoqueiro que a leva à comunidade, o que provoca a morte dela e do marido. No filme estavam em pauta os supostos perigos da exposição dos jovens a um mundo baseado na diversão e na identificação com a cultura massiva, representada pela música pop, pela moda e pelos comportamentos ligados a hábitos de consumo. Bini retomaria o tema, em registro mais positivo, em É isso aí, Bixo (1973), que trazia o romance entre um bancário conservador e uma jovem hippie.

11Mas outros filmes brasileiros dos anos 1970 colocariam jovens rebeldes em situações de violência, entre eles Alucinação (Walter Roncourt, 1972), sobre jovens drogados que cometem um crime violento, e Belinda dos orixás na praia dos desejos (Antonio Thomé, 1979), sobre um grupo atacado por fugitivos da prisão. Pouco depois, num dos segmentos do longa em episódios Fantasias sexuais (Juan Bajon, 1981), três jovens dão carona a um homem que os mata em uma praia deserta.

12O começo dos anos 1980 trouxe o processo de redemocratização após quase duas décadas do regime militar, que perdurou de 1964 a 1985. Naquele momento, viu-se a exploração intensa da cultura juvenil pela indústria cultural. Houve uma grande quantidade de filmes que buscaram atingir e representar essa nova juventude, ligando-se à cultura musical do pop-rock (numa tradição que teve início em filmes de ídolos musicais da chamada Jovem Guarda dos anos 1960, como Roberto Carlos, conforme BUENO, 2006, p. 186) e desembocou em obras como Bete Balanço (Lael Rodrigues, 1984) e Garota Dourada (Antonio Calmon, 1984), embaladas por canções homônimas de sucesso. Em meio a esse universo, surgiu o filme aqui tratado.

Shock!

13Entre as tendências do cinema juvenil que se popularizaram mundo afora nos anos 1970, os slasher movies estiveram entre os mais longevos, sobrevivendo até hoje. Esse subgênero, um dos mais “formulescos” e mal-vistos do horror (apelidado nos EUA de dead teenagers movie), envolve, tipicamente, um psicopata do sexo masculino, quase sempre disfarçado, que caça e mata suas vítimas adolescentes empunhando armas pouco convencionais como foices, motosserras etc. Ele costuma ser forte e resistente, sobrevivendo a todo tipo de agressão e, eventualmente, possuindo poderes sobrenaturais – mas carrega consigo algum trauma da infância ou juventude. Já suas vítimas são jovens isolados por alguma razão, não raro em festas ou viagens regadas a abusos de drogas, sexo e maledicências. Entre as vítimas, há também a figura de uma heroína tão típica quanto o psicopata, a final girl. Virginal e frágil, ela sobrevive a uma série de investidas do assassino, desenvolvendo forças surpreendentes para vencê-lo – ao menos momentaneamente, pois esses filmes costumam ter muitas continuações.

14No Brasil, Shock! foi o único filme comercial a seguir esse modelo. O longa foi roteirizado e dirigido por Jair Correia, cineasta de 27 anos que já trabalhara como publicitário e diretor de dois filmes voltados para o público adulto e produzidos na Boca do Lixo. Shock! foi uma realização independente, estrelada por atores de telenovelas em começo de carreira (Mayara Magri, Taumaturgo Ferreira) e por uma diva do cinema erótico nacional (Aldine Müller).

15O filme faturou alguns prêmios em seu lançamento, como o Governador do Estado de São Paulo de Montagem e Trilha Sonora, em 1984. Shock! foi exibido em vários cinemas com sucesso mediano, e lançado em VHS no final da década de 1980, logo se tornando uma raridade. A crítica da época lhe deu alguma atenção, geralmente em tom simpático, o que não deixa de ser surpreendente, considerando-se a má-fama do horror adolescente, mas isso não se converteu em popularidade. Segundo Felipe Guerra (2004), em fortuna crítica recolhida para a revista Boca do Inferno, o crítico Graça Petti até exagerou, afirmando tratar-se de um filme que “Hitchcock assinaria”. Já José Júlio Spiewak elogiou o diretor: “Um dos melhores novos do cinema nacional, dos poucos que conseguem empreender carreira sem conceder aos baixos mercantilismos que estão em deplorável voga”.

16Shock! trazia um grupo de músicos adolescentes obrigados a passar a noite num sítio para cuidar dos instrumentos após um show. Durante a madrugada, enquanto fazem sexo, consomem drogas, brigam e falam sobre a vida, um indivíduo misterioso, de quem só vemos os pés calçados em brilhantes coturnos, começa a matá-los um a um, deixando apenas uma das moças (Cláudia Alencar) como sobrevivente. Depois de escapar, ela é levada pela polícia para fazer o reconhecimento do assassino. Ao ver que os sapatos do suspeito não são os inesquecíveis coturnos, ela dá um grito desesperado.

17Shock! é um interessante registro da juventude urbana brasileira de classe média do começo dos anos 1980, tanto no que diz respeito à moda (que reproduz os cabelos de estilo mullet e as indefectíveis polainas), quanto aos estilos musicais (o pop-rock) e ao tipo de experiência amorosa (com casais de ocasião que não se sentem constrangidos a esconder suas relações). Até aí, as semelhanças com os filmes americanos são evidentes, inclusive pela presença da moça virgem e da moça sexualmente mais ousada. Porém, o diretor/roteirista introduziu variações na fórmula. Em seu filme, por exemplo, a virgem não é poupada. Ao contrário, é ridicularizada por sua dificuldade de perceber a presença do assassino. Ela chega a conversar longamente com o psicopata enquanto ele toca bateria, julgando que o “músico” que a ouve em silêncio é um de seus amigos. Outra diferença desse filme em relação à fórmula se encontra na garota sobrevivente (Cláudia Alencar), pois ela é, aparentemente, a mais bem resolvida sexualmente das meninas: tem uma boa relação com o namorado, fala abertamente sobre sexo, etc. Além disso, ela não chega a atacar o assassino, apenas se esconde dele, conseguindo ser salva pela policia. O psicopata também parece mais sofisticado do que assassinos como Jason Vorhees (de Sexta-Feira 13), pois, apesar de tão implacável quanto o vilão yankee, ele é mais irônico, criando situações em que os jovens começam a desconfiar uns dos outros e se divertindo com sua ingenuidade.

18Mas, como em todos os slashers, os grandes momentos do filme são dedicados às mortes, aqui filmadas em câmera lenta, e acompanhadas de música de suspense, o que mostra o interesse do diretor em demorar-se sobre elas. Em comparação com os slashers estadunidenses, porém, as mortes são menos explícitas e menos sangrentas, sendo várias delas por estrangulamento e enforcamento. Diferentemente do que ocorre nos slashers típicos, também, há mais interesse pelos personagens, numa estratégia menos desumanizadora que a descrita por Boutang (2014, p. 96-97). Para a autora, nos slashers, faz-se pouco caso das vítimas, que são reduzidas rapidamente a corpos sem vida, sem que o espectador tenha tempo de estabelecer vínculos de empatia com elas. Em Shock!, o discurso dos jovens sobre seus planos, frustrações e expectativas nos faz lamentar por seu desaparecimento precoce.

19Entre os textos escritos sobre os slashers, o mais conhecido é o de Carol Clover, Men, women and chain saws (1993), cuja premissa básica é a de que esses filmes trazem psicopatas que, em geral, são homens feminilizados, fracos e/ou incompletos em algum sentido específico, enquanto as garotas sobreviventes tendem a se masculinizar, tornando-se mais corajosas, agressivas e, eventualmente, assumindo características físicas do sexo oposto. Nesse sentido, esses filmes representariam uma intrincada política de gênero na qual a erotização é quase sempre destituída pela violência (Boutang, 2014, p. 88). Os assassinos podem ser compreendidos, dessa maneira, a partir da tradição do monstro disciplinador, recorrente nas narrativas de horror em nossa cultura (Loiselle, 2014, p. 152).

20A figura do assassino serial é possivelmente a mais recorrente no cinema de horror contemporâneo. Isso pode ser devido ao fato de ele encarnar, como aponta Phillip Simpson no prefácio de Psycho Paths (2000), uma enorme variedade de representações, tanto ancestrais quanto atuais. Do ponto de vista das preocupações contemporâneas, segundo Simpson, o assassino serial pode ser visto como representante do ódio patriarcal contra a liberação feminina; como arauto do conservadorismo que ataca os comportamentos desviantes da juventude; como símbolo de uma resistência à intelectualização (pois, em princípio, seus motivos não podem ser compreendidos por nenhum critério racional); como representante de traumas causados pela suposta decadência de estrutura familiar; como reflexo de uma sociedade de massa fordista; como representante de uma tendência à “despersonalização” típica do universo urbano. Já do ponto de vista das tradições culturais mais antigas, ainda segundo Simpson, o assassino serial se mantém como representação da inevitabilidade do destino, ligado a mitos como o do bicho-papão. Simpson também observa que há uma notável correspondência entre as historias tradicionais e os crimes selvagens. Segundo ele, as narrativas de crimes incontáveis se aproximam das formas mais simples de narração, dadas pela sequência de fatos chocantes e repetitivos.

21No filme de Correia, o assassino dos coturnos parece trazer mais uma nuance às análises feitas sobre os slashers, podendo ser compreendido como representante da repressão política que ceifou a vida de centenas de jovens durante a ditadura militar que então estava em seus estertores. Nos anos 2000, Shock! foi redescoberto por jovens colecionadores brasileiros, e seu diretor foi entrevistado por Felipe Guerra (2004) – ele próprio diretor de slashers feitos em vídeo, dentre os quais o clássico do trash nacional Entrei em pânico ao saber o que vocês fizeram na sexta-feira 13 do verão passado, de 2001. Afastado do cinema há alguns anos, Correia surpreende por se recusar a perceber seu filme como um slasher:

Shock! não é um filme de terror. É um thriller. Na época, eu não havia assistido a nenhum dos filmes citados [Halloween, Sexta-feira 13]; porém, quando eu os assisti alguns anos mais tarde, vi algumas coincidências em alguns enquadramentos, apenas isso. [...] O que me levou a fazer Shock!! foi a falta de sentido na vida que havia nos jovens daquele período, a escassez intelectual e, metaforicamente, o assassino é o próprio sistema (a polícia, a política, o exército) [...]. Meu filme tem uma estética que tem a ver com meu conhecimento cinematográfico, que passa pelos filmes checos, húngaros, espanhóis, japoneses, italianos e uma pitada do cinema francês. (Guerra, 2004)

22A recusa de Correia surpreende, mas é significativa. Afinal, visto pelo prisma generalizante de Clover e Simspon, o assassino serial pode estar presente em quaisquer cinematografias. Transposto para o espaço do filme juvenil, ganha alguns significados mais específicos, mas ainda amplos. Então, o que o assassino e as vítimas de Shock! teriam de particular? Uma possível resposta é que, para além do filme produzir a inserção da juventude urbana brasileira em um espírito internacional dominante nos anos 1980, esses jovens também são vítimas de um assassino que não traz características especificamente nacionais – exceto pelos coturnos, que fazem referência ao exército, mas também ao figurino punk dos anos 1980. O assassino, assim, estaria ligado a uma herança difusa do regime autoritário que incluiu, no caso do Brasil, o franco desenvolvimento de uma indústria cultural repleta de produtos importados dos países centrais – notadamente dos EUA, o que inclui os próprios slashers movies. A apropriação criativa de Correia, então, é capaz de trazer novas metáforas para a tradição do slasher, tanto em termos da destruição de uma geração pela ditadura militar brasileira quanto de uma revolta punk contra a sociedade de consumo que incorporara esses mesmos jovens, transformando-os em presas fáceis de vários tipos de violência.

Haut de page

Bibliographie

Boutang A., “Um novo ‘gênero ruim’? O Torture Porn” in Garcia D., Cinemas de horror, Estronho, São José dos Pinhais, 2014.

Bueno Z., “Quando os mocinhos se rebelam: Notas sobre um possível cinema juvenil brasileiro” in Santana G., Cinema de bordas, Lápis, São Paulo, 2006, p. 177-187.

Canepa L., “Slasher movie made in Brazil” in Revista Contracampo, n. 21, agosto de 2010, Niterói, p. 130-144.

Clover C., Man, women and chain saws: Gender in the modern horror film, Princeton University Press, 1993.

Doherty T., Teenagers and teenpics: The juvenilization of American movies in the 1950’s, Temple University Press, Philadephia, 2002.

Guerra F., “Jair Correia: ele fez um slasher movie no Brasil” in Boca do Inferno, 04 de outubro de 2004, disponível em http://bocadoinferno.com.br/entrevistas/2004/10/jair-correia-ele-fez-um-slasher-movie-no-brasil

Loiselle A., “Cinéma du Grand Guignol: Teatralidade no cinema de horror” in Garcia D., Cinemas de horror, Estronho, São José dos Pinhais, 2014.

Simpson P. L., Psycho paths: Tracking the serial killer through contemporary American film and fiction, Southern Illinois University Press, 2000.

Haut de page

Table des illustrations

Titre Youth Runs Wild (1944) de Mark Robson
URL http://cinelatino.revues.org/docannexe/image/1961/img-1.jpg
Fichier image/jpeg, 40k
Titre Junior Prom (1946) de Sam Katzman
URL http://cinelatino.revues.org/docannexe/image/1961/img-2.jpg
Fichier image/jpeg, 32k
Titre Shock ! (1970) de Jair Correia
URL http://cinelatino.revues.org/docannexe/image/1961/img-3.jpg
Fichier image/jpeg, 20k
URL http://cinelatino.revues.org/docannexe/image/1961/img-4.jpg
Fichier image/jpeg, 24k
URL http://cinelatino.revues.org/docannexe/image/1961/img-5.jpg
Fichier image/jpeg, 28k
URL http://cinelatino.revues.org/docannexe/image/1961/img-6.jpg
Fichier image/jpeg, 28k
URL http://cinelatino.revues.org/docannexe/image/1961/img-7.jpg
Fichier image/jpeg, 24k
URL http://cinelatino.revues.org/docannexe/image/1961/img-8.jpg
Fichier image/jpeg, 32k
URL http://cinelatino.revues.org/docannexe/image/1961/img-9.jpg
Fichier image/jpeg, 60k
Haut de page

Pour citer cet article

Référence papier

Laura Loguercio Cánepa, « Horror juvenil brasileiro. O caso do slasher movie Shock! », Cinémas d’Amérique latine, 23 | 2015, 144-153.

Référence électronique

Laura Loguercio Cánepa, « Horror juvenil brasileiro. O caso do slasher movie Shock! », Cinémas d’Amérique latine [En ligne], 23 | 2015, mis en ligne le 28 décembre 2016, consulté le 29 mai 2017. URL : http://cinelatino.revues.org/1961 ; DOI : 10.4000/cinelatino.1961

Haut de page

Auteur

Laura Loguercio Cánepa

Laura Loguercio Cánepa é jornalista e pesquisadora de cinema de horror brasileiro. É doutora em multimeios pelo IAR-Unicamp (2008), mestre em Ciências da Comunicação pela ECA-USP (2002) e graduada em jornalismo pela FABICO-URFGS (1996). Atua como docente e coordenadora do mestrado em comunicação da Universidade Anhembi Morumbi (SP) e pós-doutoranda no Departamento de Cinema, Televisão e Rádio da ECA-USP. É membro da Sociedade Brasileira de Estudos de Cinema e Audiovisual (SOCINE) e Coordenadora do GP de Cinema da Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação (Intercom). É co-editora da Rebeca - Revista Brasileira de Estudos de Cinema e Audiovisual.

Haut de page

Droits d’auteur

Licence Creative Commons
Cinémas d’Amérique latine est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d'Utilisation Commerciale - Pas de Modification 4.0 International.

Haut de page
  • Logo Presses universitaires du Midi
  • Revues.org