Skip to navigation – Site map
Cuba : 50 ans de l’ICAIC

Memória cubana do mundo

Alice de Andrade
p. 159-163
Translation(s):
Une mémoire cubaine du monde

Abstracts

A Revolução Cubana completa 50 anos no dia 1º de janeiro de 2009, e sua primeira instituição cultural criada foi o ICAIC (Instituto Cubano de Arte e Indústria Cinematográficas), como arma de fortalecimento e difusão dos ideais revolucionários. Sob a direção de Alfredo Guevara, mestres como Cesare Zavattini, Joris Evans, Jean-Luc Godard e outros formaram competentes jovens cineastas. Alguns, dirigidos por Santiago Álvarez, registraram não só em Cuba, mas através do mundo, os principais acontecimentos do século 20, especialmente os de caráter revolucionário, como, por exemplo, a Revolução dos Cravos em Portugal, as guerras de independência na África e as guerrilhas latino-americanas. Criaram-se assim cerca de 1.500 pequenos cine-jornais semanais, os chamados Noticieros, de inestimavel valor cultural e histórico. Para o povo cubano, constituíram durante décadas a principal fonte de entretenimento e informação. Tais preciosos documentos, candidatos a integrarem a Memória do mundo da UNESCO, estão agora em estado precário de conservação, e se perdendo por completo caso medidas urgentes não forem tomadas para recuperá-los. Alice de Andrade, que acaba de finalizar o projeto de preservação das obras de seu pai, trabalha atualmente para a salvação dos Noticieros ICAIC Latino-americanos.

Top of page

Full text

De gauche à droite : Daniel Díaz, Santiago Álvarez, Raúl Pérez Ureta et Iván Nápoles au Vietnam, fin des années 1960

De gauche à droite : Daniel Díaz, Santiago Álvarez, Raúl Pérez Ureta et Iván Nápoles au Vietnam, fin des années 1960

1No dia 1° de janeiro de 2009, a Revolução Cubana completará 50 anos. Não por acaso, a primeira instituição cultural criada pelo governo revolucionário foi o Instituto Cubano da Arte e Indústria Cinematográficas, o ICAIC, com a missão de reinventar o cinema como uma arma para a construção de uma sociedade justa, soberana e solidária com outros países pobres do mundo.

2Os futuros cineastas cubanos eram jovens sem experiência no cinema: escritores, poetas, intelectuais que se haviam unido na luta clandestina contra o regime sanguinário da ditadura. Com a orientação generosa de mestres como Cesare Zavattini, Joris Ivens e outros, aprenderam fazendo. Fazendo um cinema realista, neo-realista, que os estimulou a conhecer seu país, a redescobri-lo e a revelá-lo aos cubanos e ao mundo. O cinema cubano dos primeiros tempos busca mostrar o verdadeiro caráter das pessoas que viviam na ilha, o verdadeiro caráter desse país que atravessava mudanças estruturais radicais e se transformava na Cuba que fez sonhar e vibrar três gerações.

3Nos seus primórdios o ICAIC, sob a direção de Alfredo Guevara, abriu uma convocatória nacional para todos aqueles que tivessem interesses e conhecimentos ligados à técnica do audiovisual, e investiu maciçamente na sua formação. No inicio, ninguém era remunerado. Vez por outra Alfredo convidava a turma para almoçar. E ali foi se formando uma grande família em torno do cinema.

Hanói, martes 13 (1967), de Santiago Álvarez

Hanói, martes 13 (1967), de Santiago Álvarez

4Diz-se que a idéia de criar um cine-jornal semanal revolucionário partiu do próprio Fidel Castro. Alfredo Guevara dirigiu suas primeiras edições, mas, ocupado em múltiplas frentes, logo teve que delegar a tarefa de sua realização. Santiago Álvarez, que havia demonstrado competência e dinamismo na gestão da Sociedade Cultural Nuestro Tiempo –núcleo de resistência à ditadura de Batista em que militavam o próprio Alfredo, Tomas Gutiérrez Alea, José Massip, Julio García Espinosa entre outros– assumiu a tarefa, e tornou-se o diretor dos Noticieros ICAIC Latinoamericanos de 1960 a 1990, fazendo a alegria do público cubano.

5Sem nenhuma experiência no cinema, mas dotado de uma intuição, de um carisma e de um espírito de liderança extraordinários, Santiago Álvarez entendeu logo que, com a precariedade de meios de que dispunha o ICAIC e diante da própria natureza do cinema (que não permite transmitir as notícias imediatamente), era preciso transcender os fatos e procurar uma forma artística e dinâmica de misturar as atualidades regionais e internacionais. Santiago e sua equipe inventaram assim um estilo ousado, iconoclasta e muito original de fazer um cine-jornalismo profundamente impregnado da mais declarada propaganda política.

6No princípio com câmeras precárias e sobras de filme virgem, as equipes do Noticiero, jovens guerrilheiros da imagem, lançaram-se pelas ruas de Havana, pelas províncias da Ilha e pelo mundo fora. Onde quer que houvessem promessas de processos revolucionários, ali estavam eles. E durante 30 anos filmaram audaciosa e corajosamente guerras, revoltas populares, revoluções e golpes de estado, além de momentos de inspiração de grandes artistas. Foi assim que aprenderam a fazer cinema.

Julio Batista Delgado, la “voix” des Noticieros (narrateur), entre 1960 et 1964

Julio Batista Delgado, la “voix” des Noticieros (narrateur), entre 1960 et 1964

79 Primaveras (1969), documentaire de Santiago Álvarez

79 Primaveras (1969), documentaire de Santiago Álvarez

7Diz-se que a foto-animação e o videoclipe nasceram dos experiências de Santiago Álvarez e do talento da sua equipe. A idéia de Now! surgiu num Noticiero e foi aprovada pelo público cubano antes de ser desenvolvida para tornar-se um clássico do cinema mundial. Assim nasceram muitos outros documentários premiados por todo mundo fora: Ciclón, Hanói martes 13, 79 primaveras, Hasta la Victoria Siempre… Foram todos edições “monotemáticas”, dentre as 1493, com cerca de 10 minutos cada, que o Noticiero produziu.

8Pouco a pouco, sem se darem conta disso, escreveram uma outra história do século xx graças a uma intimidade privilegiada com as causas revolucionárias. E era com a mesma audácia e desenvoltura que os cubanos, em massa, iam religiosamente ao cinema todas as semanas para ver o Noticiero. Não eram raras as debandadas do público do cinema quando entravam os longas-metragens de ficção. Havia os que iam ao cinema só pelo Noticiero, e os que esperavam o início da sessão seguinte para ver de novo o cine-jornal…

9A Revolução dos Cravos em Portugal, a ascensão e queda de Salvador Allende no Chile, a repressão no Brasil, na Argentina, na Venezuela, o trabalho militante de Che Guevara no Congo, na Bolívia, as guerras de independência africanas, as diversas etapas da guerra do Vietnam e a vitória vietnamita, a liberação do Camboja, a descoberta do genocídio e os horrores do regime de Pol Pot. A emocionante campanha de alfabetização cubana, a invasão dos contra-revolucionários americanos à Playa Girón, na Baía dos Porcos, a Crise dos Mísseis em 1962, o fracasso do imenso esforço que representou a Zafra de los 10 milliones, a meta produzir 10 milhões de toneladas de cana de açúcar em 1970 estabelecida pelo governo cubano… Tudo isso foi filmado em 35mm e ritmado por uma seleção musical fantástica, com sucessos pirateados dos quatro cantos do planeta!

La journaliste Marta Rojas au Vietnam, vers 1966

La journaliste Marta Rojas au Vietnam, vers 1966

10Quando o homem pisou a lua, as imagens televisivas dos americanos –captadas pelas imensas antenas cubanas que dia a noite gravavam as emissões yanquis– encheram as telas do cinema, ritmadas pela música Because dos Beatles. Os Liverpool boys foram descobertos na Ilha graças à audácia de Santiago Álvarez, já que sua música estava proibida em Cuba. Também os Rolling Stones e Pink Floyd contribuíram, graças ao Noticiero, para ajustar e ampliar o conceitos de “revolução” na Ilha.

11Alfredo Guevara levava pessoalmente seu toca-discos para o ICAIC e doutrinava suas equipes. Por sua iniciativa criou-se o Grupo de Experimentação Sonora do ICAIC, que deu condições de trabalho para que Pablo Milanés, Silvio Rodrigues e Leo Brouwer, entre muitos outros, pudessem desenvolver sua música, ao abrigo das críticas e represálias de setores reacionários do Partido.

12Os Noticieros também documentaram a comovente evolução desses e outros importantes artistas.

13Afirmar que os Noticieros foram a grande escola do Cinema Cubano ja nao é novidade, mas a verdade é que daí saíram diretores brilhantes como Thomas Gutierrez Alea, Pastor Vega, Daniel Dias Torres e Fernando Perez, além do próprio Santiago, que começou sua carreira de cineasta aos 44 anos para construir uma obra fundamental, extremamente profícua. Daí saíram também grandes diretores de fotografia, montadores e técnicos de som excelentes. E se no início se trabalhava com câmeras de corda (usadas também como tacapes letais para defender-se dos inimigos nas guerras) ou com as imensas e extremamente ruidosas “Komba” soviéticas, que impediam qualquer tentativa de gravação sincrônica de som, a importância do cinema para o Estado foi se afirmando paulatinamente, e os equipamentos de filmagem passaram a ser dos mais modernos e eficientes. Podia faltar comida em Cuba, mas película virgem não faltava.

14O ICAIC acabou por se transformar num dos maiores pólos de produção cinematográfica da América Latina, equipando-se com um excelente laboratório e equipamentos de trucagem dos mais modernos, estúdios de filmagem, estúdios de som, fonoteca… E construindo uma cinemateca das mais ricas e bem organizadas do seu tempo, com uma coleção invejável e imensa riqueza de documentação literária e fotográfica, excelentes condições de estocagem de filmes, com controle de temperatura e umidade.

Santiago Álvarez et l’équipe de Noticieros filment le tremblement de terre au Pérou en 1970

Santiago Álvarez et l’équipe de Noticieros filment le tremblement de terre au Pérou en 1970

Iván Nápoles opérateur de Noticieroset l’un des fondateurs de l’ICAIC, avec Marcelo (son assistant)

Iván Nápoles opérateur de Noticieroset l’un des fondateurs de l’ICAIC, avec Marcelo (son assistant)

Photo : Alice de Andrade

15Com a criação do Festival del Nuevo Cine Latinoamericano, que este ano completa 30 edições ininterruptas, Havana tornou-se um ponto de encontro das cinematografias latino-americanas, um fórum de desenvolvimento de co-produções, muitas das quais apoiadas pelo ICAIC, sobretudo na pós-produção. Aí nasceu a Fundación del Nuevo Cine Latino-americano, presidida por Gabriel García Márquez, que concebeu e criou a Escuela Internacional de Cine y Televisión, uma das mais respeitadas do mundo (onde tive a sorte de estudar) e o Programa Ibermédia, além de muitas outras iniciativas vieram a viabilizar e fortalecer as nossas cinematografias.

16Por muitos anos a Cinemateca Cubana conservou, além dos originais das 1.493 edições dos Noticieros, centenas de longas e curtas-metragens de ficção, animação ou de documentários, não só da excelente cinematografia nacional, como de parte significativa da produção latino-americana. O laboratório e os arquivos fílmicos cubanos praticavam as necessárias revisões periódicas dos filmes, faziam materiais de segurança quando necessário e produziam cópias legendadas dos filmes que intercambiavam regularmente com cinematecas de outros países.

17Mas, desde o desmantelamento do bloco socialista nos anos 90, Cuba mergulhou na maior crise econômica de sua história, a qual já dura quase trinta anos. Não havia mais película para filmar Noticieros nem para garantir a conservação dos filmes. Não havia eletricidade para alimentar controles de temperatura. E os filmes deixaram de ter ali um porto seguro, por serem constituídos de imagens e sons impressos numa suspensão de sais de prata e gelatina, matéria viva, perecível e mutante, depositada em bases transparentes quimicamente instáveis. Num país tropical, com calor, umidade e maresia em excesso, a degradação dos materiais cinematográficos é inevitável e muito rápida.

18E essa trágica crônica de uma morte anunciada veio se arrastando, sem publicidade ou alarde, ao longo das últimas décadas. A cada semana que passa, Cuba perde cada vez mais filmes. A febre do digital, que leva a crer que o simples fato de transferir-se uma obra audiovisual a DVD garante sua sobrevivência, não contribuiu em nada para o esclarecimento das mentalidades e para a concretização de ações efetivas na salvaçao desse patrimônio.

Hanói, martes 13 (1967), de Santiago Álvarez

Hanói, martes 13 (1967), de Santiago Álvarez

Hanói, martes 13 (1967), de Santiago Álvarez

Hanói, martes 13 (1967), de Santiago Álvarez

19Quem já teve a oportunidade de assistir a uma sessão lotada numa das melhores salas de projeção da Ilha, sabe que a relação do público local com o cinema é singular e privilegiada. Na minha opinião, o público cubano é o melhor público do mundo. Provavelmente porque depois de 30 anos de contemplação da sua própria imagem em 35 mm em telas enormes, com uma reprodução sonora excelente, depois de ter o cinema como principal janela aberta para o mundo, para as realidades e emoções de outras culturas, o ano inteiro, a preços módicos, o cubano tornou-se o mais cinéfilo dos espectadores do planeta. E é uma cinefilia instintiva, do coração, bem pouco intelectualizada, que lhes permite comentar alto e claro o que se passa no filme, sem timidez, sem medo, vivendo verdadeiramente aquelas histórias ali, naquele momento; e que lhes permite inventar conceitos tão maravilhosos como o do “final russo”: que define os filmes que acabam de repente, sem quê nem porquê, quando os roteiristas não encontraram um fecho melhor para a história ou quando diretores e produtores apostaram no “artístico” ou no “radical”.

20Embora as tecnologias digitais sejam ferramentas importantes para a restauração e a difusão do cinema, a guerra da concorrência industrial faz que a obsolescência de suportes, formatos e equipamentos torne excessivamente custosas e arriscadas quaisquer iniciativas de conservação em mídias digitais de alta definição. Além do que, uma imagem em DVD tem uma qualidade infinitamente pior do que o pior dos filmes em 35 mm. “Preservar” um filme em DVD é como xerocar uma fotografia da Mona Lisa, guardar numa gaveta e esperar que a fotocópia esmaeça.

21Em julho de 2008 –graças ao apoio da FIAF (Federação Internacional dos Arquivos Fílmicos), da UNESCO e do Programa Ibermédia– reuniram-se durante três semanas, na Escuela Internacional de Cine y TV em San Antonio de los Baños, província de Havana, sete dos maiores especialistas em conservação e restauração cinematográfica e 35 estagiários latino-americanos, cubanos na sua grande maioria, com o objetivo de analisar materiais da coleção dos Noticieros ICAIC Latinoamericanos e lançar as bases de uma estratégia para sua restauração e conservação. Sucederam-se aulas teóricas excepcionais, sessões de análise e preparação das 9 edições que foram restauradas no México –já que o laboratório do ICAIC, apesar de excelente, encontra-se desativado desde 2005–, projeções e discussões de filmes restaurados. Formou-se ali um grupo de trabalho profundamente motivado e unido.

Iván Nápoles et Santiago Álvarez

Iván Nápoles et Santiago Álvarez

Daniel Díaz Torres a commencé comme réalisateur de Noticieros

Daniel Díaz Torres a commencé comme réalisateur de Noticieros

Salvador Allende et Santiago Álvarez, Pérou, 1970

Salvador Allende et Santiago Álvarez, Pérou, 1970

22Ficou claro para todos a situação crítica em que se encontra a coleção: grande parte das coleçoes dos Noticeros estão a ponto de perder-se, precisam ser duplicadas com a maior urgência em película cinematográfica, hoje o único instrumento de preservação confiável da nossa herança audiovisual.

23A coleção dos negativos das 1.493 edições dos Noticie-ros ICAIC Latinoamericanos é candidata em 2009 ao registro da Memória do Mundo da UNESCO. O ICAIC e a Cine-mateca de Cuba dispõem atualmente de recursos para reconstruir seus depósitos fílmicos e seu laboratório cinematográfico, e fazê-los voltar a funcionar. Trata-se de uma luta contra o tempo, de uma cruzada urgente para salvar essa visão cubana de sua revolução, do mundo, do século.

24Tive a sorte de participar nessa aventura e de estar no bom lugar, no bom momento. Aproveitei os materiais reunidos e tratei de digitalizá-los. Contratei o principal operador de câmera de Santiago Alvarez nos Noticieros, o legendário Ivan Nápoles, que esteve 17 vezes no Vietnam filmando sob os bombardeios, e com ele fizemos uma espécie de Buena Vista Social Club dos Noticieros: um périplo pela Havana de hoje, em busca dos homens e mulheres que escreveram essa outra História.

25Num momento em que todos os olhares estarão voltados para Cuba, para incensar ou criticar a Revolução em seu cinqüentenário, resolvemos mostrar ao Mundo como Cuba o viu durante esses trinta anos. Espero sinceramente que a grandeza humana desses cineastas e a força das imagens e sons que produziram venha contribuir para que não se perca tal tesouro, e para que o governo cubano se empenhe em salvar imediatamente esses sons e imagens, com a mesma energia que os gerou, e assim reassumir seu status pioneiro dentro da cinematografia mundial, agora também na área da conservação e da valorização dos patrimônios cinematográficos.

Joris Ivens et Santiago Álvarez, années 1960

Joris Ivens et Santiago Álvarez, années 1960

Iván Nápoles (opérateur de Noticieros), Jerónimo Labrada (ingénieur du son de Noticieros) Alice de Andrade et Marcelo (assistant du documentaire) au cinéma Chaplin, à La Havane, pendant le tournage de Memoria cubana del mundo

Iván Nápoles (opérateur de Noticieros), Jerónimo Labrada (ingénieur du son de Noticieros) Alice de Andrade et Marcelo (assistant du documentaire) au cinéma Chaplin, à La Havane, pendant le tournage de Memoria cubana del mundo
Top of page

List of illustrations

Title De gauche à droite : Daniel Díaz, Santiago Álvarez, Raúl Pérez Ureta et Iván Nápoles au Vietnam, fin des années 1960
URL http://cinelatino.revues.org/docannexe/image/1720/img-1.png
File image/png, 136k
Title Hanói, martes 13 (1967), de Santiago Álvarez
URL http://cinelatino.revues.org/docannexe/image/1720/img-2.png
File image/png, 51k
Title Julio Batista Delgado, la “voix” des Noticieros (narrateur), entre 1960 et 1964
URL http://cinelatino.revues.org/docannexe/image/1720/img-3.png
File image/png, 34k
Title 79 Primaveras (1969), documentaire de Santiago Álvarez
URL http://cinelatino.revues.org/docannexe/image/1720/img-4.png
File image/png, 131k
Title La journaliste Marta Rojas au Vietnam, vers 1966
URL http://cinelatino.revues.org/docannexe/image/1720/img-5.png
File image/png, 70k
Title Santiago Álvarez et l’équipe de Noticieros filment le tremblement de terre au Pérou en 1970
URL http://cinelatino.revues.org/docannexe/image/1720/img-6.png
File image/png, 168k
Title Iván Nápoles opérateur de Noticieroset l’un des fondateurs de l’ICAIC, avec Marcelo (son assistant)
Credits Photo : Alice de Andrade
URL http://cinelatino.revues.org/docannexe/image/1720/img-7.png
File image/png, 152k
Title Hanói, martes 13 (1967), de Santiago Álvarez
URL http://cinelatino.revues.org/docannexe/image/1720/img-8.png
File image/png, 54k
Title Hanói, martes 13 (1967), de Santiago Álvarez
URL http://cinelatino.revues.org/docannexe/image/1720/img-9.png
File image/png, 38k
Title Iván Nápoles et Santiago Álvarez
URL http://cinelatino.revues.org/docannexe/image/1720/img-10.png
File image/png, 69k
Title Daniel Díaz Torres a commencé comme réalisateur de Noticieros
URL http://cinelatino.revues.org/docannexe/image/1720/img-11.png
File image/png, 67k
Title Salvador Allende et Santiago Álvarez, Pérou, 1970
URL http://cinelatino.revues.org/docannexe/image/1720/img-12.png
File image/png, 161k
Title Joris Ivens et Santiago Álvarez, années 1960
URL http://cinelatino.revues.org/docannexe/image/1720/img-13.png
File image/png, 65k
Title Iván Nápoles (opérateur de Noticieros), Jerónimo Labrada (ingénieur du son de Noticieros) Alice de Andrade et Marcelo (assistant du documentaire) au cinéma Chaplin, à La Havane, pendant le tournage de Memoria cubana del mundo
URL http://cinelatino.revues.org/docannexe/image/1720/img-14.png
File image/png, 80k
Top of page

References

Bibliographical reference

Alice de Andrade, « Memória cubana do mundo », Cinémas d’Amérique latine, 17 | 2009, 159-163.

Electronic reference

Alice de Andrade, « Memória cubana do mundo », Cinémas d’Amérique latine [Online], 17 | 2009, Online since 06 November 2015, connection on 17 October 2017. URL : http://cinelatino.revues.org/1720 ; DOI : 10.4000/cinelatino.1720

Top of page

About the author

Alice de Andrade

Nasceu no Rio de Janeiro 1964. Trabalhou como assistente de direção de Joaquim Pedro de Andrade, John Boorman, Ruy Guerra, Walter Lima Jr., André Téchiné, Pascal Bonitzer e Carlos Diegues entre outros, antes de se formar como roteirista na Escola Internacional de Cinema e Televisão de San Antonio de los Baños, em Cuba (1990-1992). Desde então escreveu e realizou uma dezena de filmes de curta e média-metragens. Luna de Miel, documentário,’, filmado em Cuba, obteve o Prêmio Coral no Festival del Nuevo Cine Latinoamericano de Havana (1993). Dente por dente (ficção, 1994) obteve os prémios de Melhor Direção e Melhor Roteiro no Festival de Brasília (1994) e foi exibido em Cannes, em 2000. Seu documentário Le Pari Burkinabé (1999), foi distinguido como o melhor media-metragem no Primeiro Festival de Vídeo e Cinema do Meio Ambiente, FICA, no Brasil, (1999). O Diabo a quatro (2004), seu primeiro longa-metragem de ficção, onde obteve mais de uma dezena de prémios. Entre 2003 e 2007 Alice foi a coordenadora técnica do projeto que restaurou em alta definição a obra completa de seu pai, o cineasta brasileiro Joaquim Pedro de Andrade, 6 longas-metragens e 8 curtas-metragens. Em 2007, Alice dirigiu o documentário de 52 min Histórias cruzadas sobre o renascimento da obra de seu pai. Este ano apresenta em Toulouse Memória cubana do mundo, documentário de 70 min sobre os Noticieros ICAIC Latino-americanos e os homens e mulheres que os realizaram.

Top of page

Copyright

Licence Creative Commons
Cinémas d’Amérique latine est mis à disposition selon les termes de la licence Creative Commons Attribution - Pas d'Utilisation Commerciale - Pas de Modification 4.0 International.

Top of page
  • Logo Presses universitaires du Midi
  • Revues.org